Três dias de buscas por jovem de Melgaço suspensos sem sucesso

02 Abr 2020 / 20:51 H.

As buscas para encontrar um jovem que caiu ao rio Minho na terça-feira, em Melgaço, foram suspensas às 19h05, prosseguindo nos próximos dias com “dispositivo mais reduzido”, informou hoje o capitão do porto de Caminha.

Contactado pela agência Lusa, o capitão do porto e comandante da Polícia Marítima (PM) de Caminha, Pedro Costa, explicou que “durante os três dias de operações não foi encontrado nenhum indício” na freguesia de Remoães, em Melgaço, onde o jovem caiu ao rio Minho, sendo “muito baixa a probabilidade de o corpo se encontrar naquela zona”.

“Foi importante termos empenhado nos últimos dias um forte dispositivo que, em coordenação com a barragem de Frieira, na Galiza, permitiu uma investigação com bastante rigor na zona de Remoães. Nesta altura, e com o caudal que o rio apresenta, a probabilidade do corpo se encontrar nesta zona é muito baixa”, explicou.

Durante o dia de hoje estiveram envolvidos nas buscas dois meios aéreos da Guardia Civil e da Agência de Emergência Galega 112 (Achega), três embarcações, duas espanholas e uma da PM de Caminha. Em terra, nas duas margens, participaram meios dos bombeiros voluntários de Melgaço e da Guardia Civil espanhola, num total de mais de 20 operacionais.

Na terça-feira, o jovem de 26 anos “escorregou e caiu” quando “passeava” junto ao rio internacional, na freguesia de Remoães, no concelho de Melgaço, distrito de Viana do Castelo.

Pedro Costa acrescentou que “as buscas vão continuar nos próximos dias, com meios mais reduzidos”.

“Na sexta-feira, contaremos com o apoio de uma embarcação da Armada espanhola e, no fim de semana, serão empenhados meios da PM de Caminha, numa coordenação que já habitual entre as autoridades dos dois lados do rio internacional”, afirmou.

O acidente activou, como é habitual naquela zona transfronteiriça, o projecto ARIEM+ - Assistência Recíproca Inter-regional em Emergências e Riscos Transfronteiriços.

Os objectivos do ARIEM+ incluem a criação de uma Rede de Comando Operacional Único para a gestão conjunta de recursos humanos e materiais em situações de risco que melhorem a gestão e coordenação de emergências no local.