Papa pede à sociedade para apoiar os sem-abrigo

31 Mar 2020 / 08:52 H.

O Papa Francisco instou hoje a sociedade e a Igreja católica a acolher os sem-abrigo expostos à pandemia do novo coronavírus, que provoca a doença covid-19, em todo o mundo.

“Rezamos hoje por aqueles que não têm uma casa numa altura em que nos pedem para ficarmos dentro. Rezamos para que a sociedade de homens e de mulheres se dê conta desta realidade e os ajude, e à Igreja que os acolha”, disse o Papa Francisco durante a missa matinal celebrada na residência oficial.

O chefe da Igreja católica dedica todos os dias orações aos mais afetados e expostos à pandemia de coronavírus no mundo tendo decidido retransmitir as cerimónias para as “pessoas confinadas”, quando antes eram eucaristias privadas.

O Papa celebra as missas seguindo as medidas de segurança para evitar contágios, na ausência de fiéis e acompanhado apenas de alguns elementos da Igreja separados entre si.

O Vaticano doou 30 ventiladores a Itália e Espanha e entre outras medidas ordenou a abertura dos refeitórios da Cáritas da diocese de Roma, respeitando as normas de segurança, assim como mantém abertos cinco centros de acolhimento a sem-abrigo.

No Vaticano foram detetadas seis pessoas infetadas pelo coronavírus, entre os quais um funcionário da Secretaria de Estado que vivia na residência do Papa.

Os testes ao líder dos católicos foram negativos, confirmou a Santa Sé através de um comunicado.

Na noite de segunda-feira confirmou-se o contágio do vigário da diocese de Roma, Anegelo De Donatis, de 66 anos, que tinha sido internado no hospital Gemelli, Roma, com febre.

No Vaticano tomaram-se medidas para evitar aglomerações de fiéis, tal como foi implementado em Itália onde a pandemia contagiou mais de 100 mil pessoas, sobretudo no norte do país.

Em Itália morreram 11.591 pessoas e 75.528 continuam infetadas de acordo com dados oficiais.

As missas do Papa Francisco são transmitidas por vídeo e as audiências de quarta-feira assim como a cerimónia de domingo também são emitidas por meios remotos.

A Praça de São Pedro e a Basílica foram encerradas ao culto de forma temporária até ao próximo dia 03 de abril, assim como os museus da Cidade do Vaticano.

O jornal diário do Vaticano Observatore Romano deixou de ser impresso em papel, pela primeira vez em 159 anos, para evitar contágios mas mantém a edição digital.

As medidas de exceção obrigaram o papa a suspender a viagem oficial do Papa Francisco a Malta e que estava agendada para o dia 31 de maio.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 750 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 36 mil.

Dos casos de infeção, pelo menos 148.500 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.