Oposição diz que há fundamentos nas acusações dos EUA contra membros do Governo

27 Mar 2020 / 08:18 H.

A oposição venezuelana disse hoje acreditar existirem fundamentos nas acusações de narcoterrorismo feitas na quinta-feira pelos Estados Unidos contra o Presidente Nicolás Maduro e vários membros do Governo do país.

“Nos Estados Unidos, há separação e independência de poderes, e o seu sistema de justiça é reconhecido mundialmente pela sua eficácia, seriedade, respeitabilidade e transparência”, de acordo com um comunicado divulgado pelo líder opositor Juan Guaidó.

No documento, Juan Guaidó disse estar “confiante de que as acusações feitas contra os membros do regime estão bem fundamentadas e ajudarão a libertar o país do sistema criminal que sequestrou o povo por tantos anos”.

Na opinião do opositor, “essas acusações confirmam o que durante muito tempo os venezuelanos sabem e temos denunciado e enfrentado”.

“O nosso problema não é apenas um problema político, enfrentamos um cartel, o cartel de Maduro”, acrescentou.

Segundo o documento, “durante décadas” as instituições e o território venezuelano “têm sido sequestradas e controladas por personagens semelhantes a Pablo Escobar, Osama bin Laden ou El Chapo Guzmán”.

“Se os povos da Colômbia e do México sofreram tanto com esses personagens, que não tinham a décima parte do poder político ou económico que Maduro e os seus cúmplices têm tido, imaginem o dano a que temos estado expostos e o que temos enfrentado”, afirmou.

Para a oposição, Maduro e os membros do Governo são os culpados de que a Venezuela sofra uma das piores crises humanitárias da história da região, denunciando que o país se converteu no menos preparado para enfrentar a pandemia da covid-19.

“Os que deviam trabalhar para o povo, têm anos dedicados à corrupção, ao tráfico de drogas e ao terrorismo”, sublinhou.

Segundo a oposição venezuelana, não há possibilidade de que a Venezuela receba ajuda financeira internacional para combater a atual pandemia, “enquanto o cartel de Maduro estiver em Miraflores [palácio presidencial]”.

“Reafirmo que continuaremos a aumentar a pressão, até desmantelarmos o Estado usurpador criminoso e que farei tudo o que fizer falta para que sejamos livres e para proteger o povo venezuelano”, concluiu.

O Departamento de Justiça norte-americano acusou o Presidente da Venezuela e pessoas do seu círculo de narcoterrorismo e de conspiraram com rebeldes colombianos para “inundar os Estados Unidos de cocaína”.

Entretanto, Washington anunciou o pagamento de recompensas para informações que leve à detenção de Nicolás Maduro, do presidente da Assembleia Constituinte, Diosdado Cabello, do presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Maikel Moreno, do ministro da Defesa, Vladimir Padrino López, do ex-vice-presidente da Venezuela, Tareck El Aissami, entre outros.