“Jornalismo nunca foi tão necessário e teve tantas dificuldades como agora”

Mundo /
31 Mar 2020 / 18:33 H.

O presidente da Associação Mundial de Jornais e Editores (WAN-IFRA), Fernando de Yarza López-Madrazo, alertou, hoje, que na actual situação de pandemia de coronavírus, em que proliferam muitas mentiras, o jornalismo sério e os meios de comunicação social “nunca foram tão necessários como agora” para esclarecimento da sociedade, mas ao mesmo tempo “nunca tiveram tantas dificuldades como agora”, já que “a grande maioria dos nossos jornais e meios de comunicação não são públicos, mas de natureza privada”, dependem de publicidade, que praticamente desapareceu na actual crise. A mensagem é feita em jeito de apelo aos decisores públicos, já que os media precisam de apoios: “Precisamos de financiamento de curto prazo, precisamos de liquidez, precisamos de uma ponte que nos permita chegar ao outro lado do rio sem nos afogarmos na tentativa”.

O executivo espanhol explica que “a progressão do vírus será contida - verificaremos mais cedo ou mais tarde - com pesquisa científica, consciência social e medidas de prevenção e isolamento” e que “teremos que superar o medo, que atravessa portas e fronteiras a uma velocidade assustadora”, o que “exigirá um esforço colectivo sem precedentes, no qual o papel dos media, de editores e jornalistas será essencial”. “Somente fornecendo informações próximas, úteis e verdadeiras, de forma abrangente, rápida, precisa e comprometida com os cidadãos, conseguiremos conter o medo do contacto social e voltar à normalidade”, lembra o presidente da WAN.

“O jornalismo é, sem dúvida, o melhor antídoto contra a desinformação, os silêncios e as mentiras que, deliberadamente, geram movimentos interessados no desequilíbrio das instituições. É um interesse que se multiplica tão rapidamente quanto o próprio coronavírus, criando uma situação séria e confusa, prejudicial para todos nós que estamos sofrendo. Nestas circunstâncias, a nossa responsabilidade como editores e jornalistas é mais importante que nunca, certamente, o maior desafio que enfrentamos desde a Segunda Guerra Mundial”, sublinha o mesmo responsável, que entende que o sector é “um serviço público de primeira necessidade” dado o papel importante que desempenha “na coesão social, na defesa do sistema democrático, no estímulo à solidariedade e consciencialização do cidadão”.

Mas para desempenhar essa missão social, os meios de comunicação precisam de ter forma de sobreviver. Fernando de Yarza López-Madrazo descreve depois a difícil situação do sector, que já foi abalado com “o terramoto da Internet e a terrível crise económica mundial iniciada em 2008”. Muitos não sobreviveram a essa fase mas “outros conseguiram empreender uma difícil transformação profissional e estrutural para se adaptar às necessidades informativas de uma sociedade em mudança”. “Após anos de sacrifícios, estávamos tendo sucesso, com enormes dificuldades, mas vendo a luz no fim do túnel. Então chegamos a esta nova etapa, de repente, sem precedentes, com a virulência e rapidez de um relâmpago”, resume o presidente da WAN, que agora se depara com “um paradoxo perverso”: “O jornalismo torna-se mais necessário do que nunca, o público multiplica-se, mas nossos meios de subsistência evaporam-se em dias, e com eles a nossa forma de sobrevivência. A publicidade praticamente desapareceu”.