Brasil regista 159 mortos e 4.579 infectados

30 Mar 2020 / 23:06 H.

O Brasil tem hoje 159 mortos e 4.579 infectados pelo novo coronavírus, anunciou o Ministério da Saúde do país, acrescentando que são já 15 as unidades federativas brasileiras a registarem óbitos devido à pandemia da covid-19.

Segundo o executivo brasileiro, liderado pelo Presidente Jair Bolsonaro, a taxa de mortalidade da covid-19 no Brasil é de cerca de 3,5%, de momento.

De acordo os dados hoje divulgados, 15 das 27 unidades federativas do país (26 estados mais o Distrito Federal) registaram óbitos devido ao novo coronavírus: Amazonas, Bahia, Ceará, Pernambuco, Piauí, São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Minas Gerais, Goiás, Paraná, Maranhão, Santa Catarina, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul.

Assim, todas as regiões do Brasil têm mortes confirmadas pela covid-19.

São Paulo continua a ser o estado brasileiro mais afetado, totalizando 113 mortos e 1.517 casos confirmados. Segue-se o Rio de Janeiro com 18 óbitos e 657 infetados e o Ceará que, até ao momento, contabilizou cinco vítimas mortais e 372 casos positivos da covid-19.

O Governo de Bolsonaro anunciou hoje que deixará de fazer a habitual conferência de imprensa diária apenas com dados do Ministério da Saúde, liderado pelo ministro Luiz Henrique Mandetta, mas sim com uma presença interministerial.

Ao lado de outros ministros, Mandetta voltou a pedir hoje que sejam mantidas as recomendações feitas pelos estados para conter o avanço da pandmeia do novo coronavírus, e que visam a restrição de circulação de pessoas e o funcionamento de alguns tipos de comércio.

“Por enquanto, mantenham as recomendações dos estados, porque neste momento é a medida mais recomendável, porque temos muitas fragilidades ainda no sistema de Saúde”, disse Mandetta, contrariando a postura de Jair Bolsonaro, que diariamente apela a que a população continue a sair de casa para trabalhar.

“No momento, devemos manter o máximo grau de distanciamento social, para que possamos (...) dar tempo para que o sistema [de saúde] se consolide na sua expansão”, acrescentou o governante, em conferência de imprensa.

No domingo, Jair Bolsonaro contrariou as recomendações sanitárias de quarentena no país e passeou por localidades da área metropolitana de Brasília, visita que foi partilhada pelo chefe de Estado na rede social Twitter.

Jair Bolsonaro tem criticado frequentemente as medidas de isolamento social, adotadas a nível estadual e municipal, frisando que, embora seja necessário cuidar da saúde da população, também se deve prevenir o duro efeito económico que a pandemia pode causar.

O Ministério da Saúde brasileiro anunciou hoje que enviou aos profissionais de saúde dos vários estados materiais necessários para evitar o contágio, entre eles, 14,2 milhões de máscaras cirúrgicas, 24 milhões de luvas para procedimentos não cirúrgicos, 168 mil frascos de álcool etílico e 60 mil óculos de proteção, entre outros.

Na passada sexta-feira, a tutela da Saúde anunciou também a cedência 144 milhões de reais (25,1 milhões de euros) para a construção de um centro hospitalar, em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), especializado no atendimento de pacientes infetados com a covid-19 em estado grave, e que será implantado no Rio de Janeiro.

“A construção do Centro Hospitalar Fiocruz será dividida em duas etapas, a primeira levará 40 dias e contará com 100 camas, sendo 50 para tratamento intensivo e 50 para semi-intensivo. A expectativa é de que, ao final de dois meses, toda a obra, com o total de 200 camas, já esteja concluída”, anunciou a executivo brasileiro.