Presidente da Câmara do Porto Santo diz que ilha não pode ficar sem ligações aéreas

21 Mai 2020 / 22:12 H.

Idalino Vasconcelos afirma que o Porto Santo não pode ficar sem ligações aéreas e indica que a Câmara Municipal tem estado em permanente contacto com o Governo Regional da Madeira, nesta matéria e transmitido as suas preocupações, sendo que solicitará os devidos esclarecimentos, pelos canais oficiais ao Ministério responsável, bem como à companhia aérea.

O presidente da autarquia mostra-se preocupado com a “notícia veiculada pela RTP, no final da tarde de hoje, que refere que a Binter só retoma a operação em Outubro, o autarca lembra que existe uma concessão da linha aérea, entre o Estado Português e a companhia aérea, com sede em Canárias e lembra ainda que essa concessão é um contrato que tem e deve ser cumprido, logo que as condições o propiciem”.

“Neste momento, o que sabemos, é que as ligações aéreas não estão nos sistemas de reservas, fundamentalmente, porque não existem passageiros a efectuar reservas. O que está em causa é a mobilidade dos porto-santenses e o princípio constitucional da continuidade territorial e a liberdade de circulação de pessoas e bens”, defende o presidente da CMPS.

Idalino Vasconcelos diz acreditar “que a companhia aérea quer cumprir o seu contrato com o Governo da República”. “Entendemos os constrangimentos no espaço aéreo espanhol, devido ao estado de emergência naquele país vizinho. Acreditamos, certamente, que a Binter vai retomar as operações aéreas assim que as condições o permitirem, garantindo a segurança e a saúde dos seus passageiros”, afiança.

“Por último, entendemos que não temos outra alternativa aérea à mobilidade e que o Governo da República será sensível às nossas preocupações e resolverá esta questão de extrema importância, promovendo pelo cumprimento do contrato e apresentará medidas compensatórias para os porto-santenses e para a frágil economia local. É isso que se espera da República”, conclui.