Dois telescópios instalados no Pico do Areeiro até final de 2020

17 Jul 2019 / 14:24 H.

O presidente do governo regional da Madeira e o ministro da Defesa assinaram, hoje, um protocolo que prevê a instalação de um Observatório Óptico no Pico do Areeiro, integrado no programa europeu Space Surveillance anda Tracking (SST) que tem como objectivo a monitorização e identificação de lixo espacial.

O projecto inclui a instalação e dois telescópios e representa, como informou João Gomes Cravinho, investimentos anuais de 1,5 milhões de euros, neste não e no próximo. O ministro da Defesa espera que os dois telescópios, que estarão ligados a um centro operacional nos Açores, possam estar instalados no final do próximo ano.

“Este programa SST é uma iniciativa da EU e através dele vamos tirar partido da posição de grande importância geo-estratégica da Madeira, utilizando o Pico do Areeiro para instalar dois telescópios que estarão ligados a um centro operacional, nos Açores o que permitirá a Portugal participar, de uma forma muito significativa, neste programa europeu para caracterizar e identificar objectos que estejam no espaço”, explicou João Gomes Cravinho.

Miguel Albuquerque destacou a importância da Madeira no quadro da Defesa Nacional, “designadamente nos acordos de cooperação, quer com a EU quer com a NATO” e assegurou que a Região “está disposta a assumir as suas responsabilidades”.

“A Madeira e os Açores têm uma importância geo-política relevante”, afirmou o presidente do governo regional que também destacou a importância de, no quadro da União Europeia, reforçar a posição atlântica de Portugal, sobretudo depois da saída do Reino Unido, a grande potência marítima da EU,

“Uma das grandes riquezas do país será, no futuro, o mar e a Madeira tem assumido as suas responsabilidades nesse âmbito. Temos o terceiro registo de navios, ao nível europeu, aqui sediado, temos empresas de investigação a trabalhar no CINM nos produtos do mar”, sublinhou.

Albuquerque acredita que, além deste protocolo que permitirá integrar investigação internacional e envolver a Universidade da Madeira, a Região também pode colaborar noutras +áreas, nomeadamente na utilização de drones a fiscalização da nossa plataforma continental.

Outras Notícias