Joseph Donald Silva Black Kestrel - O Francelho Preto

A apresentação de um livro é também um encontro de amigos e pessoas conhecidas

26 Mar 2020 / 02:00 H.

O Professor Joseph Donald Silva fez, recentemente, mais uma das suas muitas visitas à Madeira. Este professor americano é neto de emigrantes do Campanário, que partiram para os EUA nos inícios do século XX. Há cerca de 40 anos, o professor Donald e família viveram na casa dos meus pais, no Campanário, porque queriam conhecer a vida da terra onde os avós viveram. Um dos seus avôs era primo da minha avó materna.

Donald Silva dizia que, quando era criança, o seu avô contava que a vida na Madeira, no início do séc. XX, era muito difícil, as pessoas viviam da agricultura, o terreno é muito acentuado, tinham que acarretar todos os produtos às costas, porque não havia automóveis nem sequer havia burros para ajudar a transportar as cargas.

Black Kestrel

Ao regressar aos Estados Unidos, Donald Silva publicou o livro Black Kestrel (Francelho preto), pequeno romance baseado na vida da Madeira no início do séc. XX, a vida do avô e as peripécias da emigração. O Prof. Donald Silva passou a vir à Madeira quase todos os anos, muito tem estudado sobre a história e a vida da Madeira e publicou vários trabalhos sobre a nossa ilha. Numa das suas visitas apresentou o livro Black Kestrel no Museu Frederico de Freitas.

O dilema de minha mãe

Margarida Rodrigues, minha mãe, foi convidada e compareceu na apresentação do livro Black Kestrel. O problema é que minha mãe não falava inglês, o livro está escrito em inglês e a apresentação decorreu também em inglês.

Eu não estava na Madeira, nessa altura, mas minha mãe contou-me, posteriormente, que gostou muito do encontro, a sala era muito bonita e encontrou muitas pessoas amigas. Quanto ao livro, ela disse que algumas pessoas comentaram a obra e no final toda a gente bateu palmas. Nesse momento, minha mãe fez uma pausa, olhou para mim e comentou: - Olha, eu também bati palmas, mas não percebi nada do que disseram! - Eu respondi: - Não se preocupe, de certeza que o mesmo aconteceu a outras pessoas.

Minha mãe não percebeu do que falaram, mas gostou muito do encontro. Esta é uma prova de que a apresentação de um livro é, também, e principalmente, um encontro de amigos e pessoas conhecidas.

João Luís Gonçalves