Mulheres indígenas, pescadoras e trabalhadoras rurais protestam no Brasil

Brasil /
15 Ago 2019 / 01:28 H.

Mulheres indígenas, pescadoras e trabalhadoras rurais reuniram-se hoje na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, num protesto para pressionar o Governo do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, sobre matérias como o meio ambiente ou o racismo.

Segundo informações divulgadas pela imprensa local, o ato contou com a participação de 20 mil pessoas (dados da polícia militar). Já os organizadores falam em 100 mil mulheres que participam de mais de 40 entidades de diferentes estados e países.

As mulheres manifestaram-se para fazer várias reivindicações, desde a defesa da preservação do meio ambiente, da justiça social ou contra a violência de género, o racismo, a homofobia e a intolerância religiosa.

Os principais alvos da contestação foram o Presidente Bolsonaro e o ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles.

A manifestação foi organizada pela Associação dos Povos Indígenas do Brasil dentro do Fórum Nacional de Mulheres Indígenas, que acontece entre 9 a 14 de agosto.

Participaram no evento a deputada federal (membro da câmara baixa) Sónia Guajajara, única indígena eleita para o Congresso brasileiro, e a ambientalista e ex-ministra do Meio Ambiente que já foi candidata à Presidência do Brasil, Marina Silva.

Esta manhã, as manifestantes indígenas juntaram-se a trabalhadoras rurais e pescadoras numa marcha chamada ‘Margaridas da Floresta’, realizada a cada quatro anos e que foi criada em homenagem à sindicalista brasileira Maria Margarida Alves, assassinada em 1983.