Espanha fecha fronteiras terrestres para controlar a pandemia

16 Mar 2020 / 17:24 H.

O Governo espanhol restabelece a partir da meia-noite de hoje os controlos nas fronteiras terrestres e só permitirá o acesso a cidadãos espanhóis, residentes em Espanha, trabalhadores fronteiriços, transporte de mercadorias e casos de força maior.

A medida, que vai permanecer em vigor até ao final do atual estado de emergência no país, foi anunciada em conferência de imprensa pelo Ministro do Interior (Administração Interna), Fernando Grande-Marlaska, depois de participar numa videoconferência com os seus congéneres e os ministros da Saúde da União Europeia.

“O objetivo não é outro senão proteger a saúde e a segurança dos cidadãos e conter a propagação do coronavírus”, disse o responsável governamental.

Portugal e Espanha já tinham decidido no domingo limitar a circulação na fronteira terrestre comum a mercadorias e trabalhadores transfronteiriços por causa da pandemia da Covid-19.

Já hoje, o Governo português anunciou hoje o controlo de fronteiras terrestres com Espanha, passando a existir nove pontos de passagem e exclusivamente destinados para transporte de mercadorias e trabalhadores que tenham que se deslocar por razões profissionais.

“Portugal e Espanha estão a concluir as notas técnicas que permitirão ainda hoje reintroduzir os controlos de fronteiras terrestres, estabelecendo exclusivamente nove pontos de passagem”, disse o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, avançando que “todas os outras passagens vão ser absolutamente interditadas”.

Em conferência de imprensa em Lisboa, Eduardo Cabrita sublinhou que nos nove pontos de passagem terreste vão ser estabelecidos mecanismos que limitam essa passagem “exclusivamente a mercadorias e a trabalhadores que tenham por razões profissionais que se deslocarem a Espanha”.

Vários outros países europeus restabeleceram controlos nas suas fronteiras.

O coronavírus responsável pela pandemia da Covid-19 infetou cerca de 170 mil pessoas, das quais 6.500 morreram.

Das pessoas infetadas em todo o mundo, mais de 75 mil recuperaram da doença.

O surto começou na China, em dezembro, e espalhou-se por mais de 140 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Depois da China, que regista a maioria dos casos, a Europa tornou-se o epicentro da pandemia, com mais de 55 mil infetados e pelo menos 2.335 mortos.

Além de Espanha, Itália com 1.809 mortos (em 24.747 casos), e a França com 127 mortos (5.423 casos) são os países mais afetados na Europa.

Em Portugal, 331 pessoas foram infetadas até hoje, tendo já sido registada uma morte.