Primeira morte registada nos territórios palestinianos

25 Mar 2020 / 19:09 H.

Uma mulher palestiniana tornou-se na primeira vítima mortal da pandemia do novo coronavírus na Cisjordânia ocupada, informou hoje o porta-voz da Autoridade Nacional Palestiniana (ANP).

A morte verificou-se no terceiro dia do decretamento de isolamento obrigatório imposto na Cisjordância pelo Governo palestiniano, que hoje confirmou que o número de casos confirmados da covid-19 (designação da doença causada pelo novo coronavírus) ascende a 64.

A ANP revelou também que dois familiares da vítima mortal tiveram resultado positivo no teste da covid-19, aguardando-se ainda os resultados efetuados aos filhos.

A Autoridade Nacional Palestiniana adotou medidas severas contra a pandemia após se terem registado os primeiros casos na cidade de Belém, que concentra a maioria dos doentes com o vírus e se encontra em isolamento total há três semanas.

Paralelamente, esta semana veio confirmar os primeiros casos na Faixa de Gaza, sendo que os infetados são pessoas oriundas do Paquistão, as quais permanecem internadas num hospital junto à fronteira com o Egito para evitar a propagação no território, que é uma zona densamente povoada, com um sistema sanitário precário e bloqueada por Israel desde 2007.

Também foram adotadas fortes medidas contra a pandemia em Israel, que conta até agora com cinco vítimas mortais e 2.000 infetados devido ao novo coronavírus.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 428 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 19.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.