Bélgica passa a barreira dos 500 mortos

30 Mar 2020 / 11:52 H.

A Bélgica ultrapassou a barreira dos 500 mortos devido à pandemia da covid-19, anunciaram hoje as autoridades de saúde federais, na conferência de imprensa diária.

O país conta agora 513 mortes registadas, mais 82 do que no domingo, e 1.603 novos casos confirmados por teste de laboratório, com um total de 11.899 desde o início da pandemia, na primeira semana de março.

Quase 50 mil testes foram já feitos, num país com uma população de 11,4 milhões de pessoas, salientou o microbiologista Emmanuel André.

Em relação aos dados de domingo, houve mais 536 internamentos (para um total de 4,524), estando mais 60 doentes nos cuidados intensivos (927).

Por outro lado, 168 pacientes tiveram alta hospitalar, somando já 1.527 as pessoas que puderam voltar para casa.

“Desde há alguns dias, tem-se visto a força da epidemia a diminuir, apesar de não se ter ainda chegado a um pico”, disse também o microbiologista, sublinhando haver que manter os esforços nos próximos dias.

A Bélgica está em regime de confinamento social há duas semanas, com as escolas e as universidades encerradas, e as pessoas em casa, com saídas autorizadas apenas para fazer compras, idas à farmácia e a prática de exercício, a dois e em movimento, mantendo em todos os casos a distância social de 1,5 metros.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 697 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 33.200.

Dos casos de infeção, pelo menos 137.900 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com mais de 382 mil infetados e mais de 23 mil mortos, é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 10.779 mortos em 97.689 casos registados até hoje.

A Espanha é o segundo país com maior número de mortes, registando 6.528, entre 78.747 casos de infeção confirmados até hoje, enquanto os Estados Unidos são o que tem maior número de infetados (mais de 124 mil).