Museu Quinta das Cruzes desafia a desconstruir o objecto em casa

25 Mar 2020 / 12:38 H.

O Museu Quinta das Cruzes, tutelado pela Secretaria Regional de Turismo e Cultura, iniciou esta semana, a rubrica online ‘Desconstruindo o Objecto’.

Esta é direccionada para as crianças e pretende contar com a colaboração dos familiares, neste período em que grande parte das pessoas está casa devido às medidas preventivas contra o Covid-19.

As crianças terão oportunidade de conhecer online as peças das colecções do museu e podem igualmente interpretá-las e explorá-las de várias formas.

Para concretizar a actividade proposta, o museu conta com a colaboração das famílias, concretamente para o apoio na pesquisa online, através do Facebook do museu, assim como da plataforma online dos Museus da Madeira, https://museus.madeira.gov.pt/ .

Para primeiro desafio, a escolha recaiu nos armários ‘Caixas de Açúcar’, fabricados com madeiras aproveitadas das caixas que transportavam o açúcar do Brasil para a Madeira, dos quais a Quinta das Cruzes possui vários exemplares em exposição.

O desafio lançado às crianças, de reutilizar e reciclar, tendo como base, as caixas de açúcar, começa já a dar os seus frutos. Na realidade, as fotografias a mostrarem os trabalhados realizados em casa, estão a ser divulgados na plataforma do Facebook do museu.

As fotografias dos trabalhos executados nas residências devem ser enviadas para o e-mail [email protected] , de acordo com o desafio semanal do Museu Quinta das Cruzes.

Numa altura em que as crianças estão em casa devido ao encerramento das escolas, o secretário regional de Turismo e Cultura considera que esta iniciativa do museu é louvável.

“A rubrica online ‘Desconstruindo o Objecto’ acaba por proporcionar dois momentos importantes. Por um lado, contribui para a ocupação dos alunos que têm de estar em casa neste momento. E, por outro, acaba por deixar uma semente de Cultura a todos aqueles que não conhecem o Museu Quinta das Cruzes, despertando-os para uma visita real quando voltar a abrir as portas”, complementa Eduardo Jesus.