Suicídio e depressão serão dramas do futuro, alerta enfermagem de saúde mental

17 Out 2018 / 22:23 H.

O suicídio e a depressão serão os dramas do futuro numa sociedade incapaz de lidar com a adversidade e que requer intervenções públicas para prevenir, foi o alerta deixado hoje, em Bragança, no Congresso Internacional Saúde Mental para todos.

A iniciativa promovida pela Sociedade Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental junta profissionais ligados à problemática durante dois dias no Instituto Politécnico de Bragança, com a reivindicação de mais investimento na promoção e prevenção em Portugal.

O presidente do Congresso, Carlos Sequeira, alertou que “o suicídio e depressão vão ser um drama no futuro”, que requer “muita intervenção” precoce com os estudos a apontarem já para um aumento das taxas de tentativa de suicídio que o responsável atribui à “dificuldade de as pessoas lideram com a adversidade”.

Carlos Sequeira, que é também investigador da Escola de Enfermagem do Porto, apontou o exemplo do estudo ali realizado junto de estudantes dos 18 aos 24 anos, 40% dos quais consumia “psicotrópicos (ansiolíticos, tranquilizantes, hipnóticos) porque eles não conseguem encontrar estratégias por eles para poder lidar com situações adversas”.

“Nós temos estudantes, por exemplo, que quando a gente lhes diz que estão a fazer uma coisa mal ou que têm uma negativa, se metem na casa de banho a chorar”, observou.

Na opinião do investigador, ao contrário do que acontecia antigamente, as vivências das atuais gerações não lhes proporcionam ferramentas e recursos próprios para lidar com situações adversas.

“E quando são confrontados com o mundo real, a vida tem muitas adversidades (a doença, insucesso) e os jovens de hoje não estão preparados para estas adversidades e, por isso, é que a Organização Mundial de Saúde diz que a depressão vai ser, em 2022, a doença mais incapacitante do mundo”, concretizou.

Carlos Sequeira salientou que “há uma associação grande entre a depressão e o suicídio” e, segundo estudos realizados em alguns países, “o número de suicídios por dia é muito similar aos acidentes rodoviários”.

O que se fez com as campanhas rodoviárias de prevenção, devia ser feito na área da saúde mental, como defendeu, apontando que “não se faz quase nada em Portugal e nem sempre implicaria investimento financeiro”.

“Ao nível da intervenção das pessoas com doença mental, as coisas estão mais ou menos, mas ao nível da promoção e da prevenção faz-se muito pouco e pode-se fazer mais nas escolas, nas empresas, nos centros de saúde”, defendeu.

Trabalhar o autoconceito, a capacidade de resiliência dos jovens, a capacidade de eles lidarem com as emoções, a capacidade de eles estabelecerem relações interpessoais satisfatórias e não estarem 24 no telemóvel, são algumas das propostas.

“Há jovens hoje que não conseguem estabelecer, iniciar um contacto com um estranho, nós notamos isso nos cursos de jovens com 18, 19 anos, que bloqueiam quando estão perante uma pessoa”, observou.

Carlos Sequeira alertou ainda que “hoje as adições das redes sociais, do “online”, são quase tão importante como as outras adições antigas da droga, do álcool” e defendeu que é necessário “começar a trabalhar isto antes que surjam os problemas”.

Outras Notícias