Presidente da TAP recusa comentar lucro da rota para a Madeira

18 Jul 2019 / 21:00 H.

O presidente executivo da TAP disse hoje, no parlamento, que cabe aos accionistas da empresa avaliarem a satisfação com o actual plano estratégico e defendeu que é preciso começar a delinear o próximo. Questionado sobre a Madeira, recusou comentar as informações sobre o lucro da rota para o arquipélago, referindo que se baseia em informações confidenciais divulgadas pela comissão parlamentar de inquérito (CPI) à política de gestão da TAP, no parlamento regional.

“Não vou comentar a lucratividade de uma rota, deveria ter sido discutida no âmbito da CPI com o rigor e sigilo deve ser observado nesses casos”, afirmou, referindo que tem a “lamentar” a divulgação dos dados.

Repensar plano estratégico

“Está a chegar o tempo de repensar o plano estratégico para os próximos cinco anos”, disse Antonoaldo Neves na comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas da Assembleia da República.

Sobre o atual plano estratégico, afirmou que “não está comprometido, está reafirmado”, mas que a análise da satisfação com os seus resultados cabe aos acionistas: “Há elementos que estão sendo cumpridos e outros que não, sendo que cabe aos acionistas ver se no seu todo estão ou não satisfeitos”.

Referindo-se ao endividamento, Antonoaldo Neves considerou que está a ser “rigorosamente cumprido” nos objetivos de redução e que este ano a empresa pagou 60 milhões de euros em dívida, contando pagar no total do ano 120 milhões de euros e no próximo ano mais 120 milhões de euros.

Considerou ainda que a pontualidade está melhor, desde logo com uma medida recente do Governo de reajuste do espaço aéreo, e destacou também a melhoria do serviço da TAP, caso do serviço a bordo, como o entretenimento.

“O serviço da TAP deixava muito a desejar, a gente não falava disso, mas a TAP na Star Alliance só era melhor do que a Air India”, explicou.

Antonoaldo Neves indicou que a satisfação dos clientes na TAP duplicou no ano passado, isto apesar dos atrasos, que justificou com as infraestruturas aeroportuárias-

Contudo, disse, ao contrário de há um ano, há hoje um consenso sobre a necessidade de melhorar a infraestrutura.

Sobre a operação de manutenção no Brasil, indicou que mantém a expectativa de atingir o ‘break even’ no lucro operacional este ano: “Acabei de ver o resultado e continuo com essa projeção, felizmente”.

O Estado português é dono de 50% da TAP, o consórcio privado Atlantic Gateway (de Humberto Pedrosa e David Neeleman) tem 45% e os restantes 5% do capital estão nas mãos dos trabalhadores.

Outras Notícias