Governo prevê modernização de linhas ferroviárias até 2022 e privilegia ligação a Espanha

País /
26 Ago 2018 / 12:25 H.

O Governo tem em marcha um plano para a modernização das principais linhas ferroviárias do país até 2022, que privilegia as ligações a Espanha e dá destaque ao transporte de mercadorias e de passageiros.

Alguns dos projectos do Plano Ferrovia 2020 já estão em obra ou em fase de concurso, englobando, no total, um investimento superior a dois mil milhões de euros, com a ajuda de fundos europeus.

Estão previstas intervenções em diversas vias ferroviárias, entre as quais nas linhas do Minho, do Douro, da Beira Baixa, do Norte e a construção de um corredor entre Évora e Elvas.

Prevê ainda intervenções no Oeste, em Cascais e a electrificação da Linha do Algarve.

Na Linha da Beira Baixa, o troço entre Covilhã e Guarda, encerrado há mais de 10 anos, já entrou em fase de obra, estando prevista a reabertura da ligação entre as duas cidades beirãs a partir de 2019.

Na Guarda, a linha da Beira Baixa fará ligação com os comboios internacionais, via Vilar Formoso.

A modernização e electrificação de 46 quilómetros (km) de via entre as linhas da Beira Baixa e a Beira alta representam um investimento previsto de 52 milhões de euros.

A empreitada integra a construção da chamada “concordância das Beiras”, com a construção de 1,5 km de via única, incluindo uma nova ponte sobre o rio Diz, com 237,8 metros.

Na Linha do Douro está em obra a electrificação e modernização do troço Caíde-Marco -- numa distância de 14,4 quilómetros (km) - e em elaboração está o projecto técnico de electrificação e modernização do troço Marco-Régua (43,6 km).

De acordo com o Governo, estes dois projectos permitirão que o serviço suburbano do Porto se possa estender até Marco de Canaveses e que o serviço Intercidades chegue à Régua.

A intervenção até ao Marco deve estar concluída no início de 2019, mas as da Régua só em 2022.

O custo elegível total para as intervenções previstas na Linha do Douro é de 71,3 milhões de euros.

Na Linha do Minho está em fase de conclusão a obra de eletrificação Nine - Viana e a começar a obra de electrificação entre Viana e Valença.

A modernização da Linha do Minho implica um investimento total de 86 milhões de euros.

A nova ligação ferroviária a construir entre Évora e Elvas pretende reforçar a conexão ferroviária dos portos e das zonas industriais e urbanas localizadas no sul de Portugal quer a Espanha, quer ao resto da Europa.

Este troço, chamado ‘missing link’, faz parte do corredor internacional sul, que ligará o porto de Sines até à fronteira com Espanha, e o concurso público foi apresentado no final de março deste ano pelo primeiro ministro de Portugal, António Costa, e o seu então congénere de Espanha, Mariano Rajoy.

Para a obra de construção da nova linha entre Évora e Elvas, que deverá iniciar-se até março de 2019, foram lançados os concursos, estando as propostas em fase de apreciação.

A conclusão está programada para o primeiro trimestre de 2022, num custo de 509 milhões de euros (quase metade provenientes de fundos europeus), segundo o Ministério do Planeamento e das Infra-estruturas.

Em 30 de abril foi também lançado o concurso da empreitada para a construção do subtroço da Linha de Évora, entre Alandroal e a Linha do Leste, com um valor base de 195 milhões de euros, que prevê a construção de nova plataforma ferroviária numa extensão de 38,5 quilómetros.

Esta obra complementa as empreitadas também já lançadas para a construção dos subtroços da Linha de Évora, de Évora Norte a Freixo e de Freixo ao Alandroal.

Na Linha do Norte, está a decorrer o concurso para a renovação integral de via entre Espinho e Gaia, no valor de 49 milhões de euros, e foi concluída a renovação integral de via entre Alfarelos e Pampilhosa, num investimento de 30 milhões.

Nesta Linha estão também previstas intervenções entre Ovar e Espinho, entre Entroncamento e Santarém e entre Alverca e o terminal da Bobadela (na região de Lisboa).