FMI mantém previsão de défice de 0,2% este ano e excedente de 0,1% em 2020

País /
16 Out 2019 / 15:19 H.

O FMI manteve hoje a previsão de um défice de 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB) português este ano e um excedente de 0,1% em 2020, apesar de ter melhorado na terça-feira as previsões do PIB.

No ‘Fiscal Monitor’ hoje divulgado, o Fundo Monetário Internacional (FMI) mantém as anteriores estimativas de julho para o saldo orçamental português.

A instituição liderada por Kristalina Georgieva mostra-se assim mais pessimista para o défice deste ano do que o Governo, que no Projecto de Plano Orçamental 2020 enviado à Comissão Europeia, hoje divulgado, melhorou em uma décima a previsão para o saldo orçamental este ano, para um défice de 0,1% do PIB, face aos 0,2% previstos no Programa de Estabilidade 2019-2023, apresentado em Abril.

Já para 2020, o FMI manifesta-se mais optimista do que o Governo português, ao manter a anterior previsão de um excedente de 0,1%, enquanto o Governo cortou em três décimas, no documento que enviou a Bruxelas, a estimativa de um excedente de 0,3%, antecipado em abril, para um saldo nulo no próximo ano.

Já para 2021, o FMI antecipa um excedente de 0,8%, que deverá recuar para 0,6% em 2022.

Relativamente ao rácio da dívida pública em relação ao PIB, o Fundo prevê agora uma redução maior já este ano, dos 120,1% registados em 2018 para 117,6%, abaixo dos 118,8% antecipados em Julho, no relatório da missão do FMI a Portugal ao abrigo do Artigo IV.

Para 2020, o FMI espera uma redução da dívida pública até 114,8%, quando em julho estimava uma descida para 116%.

Na terça-feira, o Fundo reviu em alta a previsão para o crescimento da economia portuguesa em 2019 e 2020, antecipando um crescimento de 1,9% este ano e 1,6% no próximo.

No relatório com a revisão anual sobre a economia portuguesa, divulgado em Julho, a instituição previa um crescimento económico de 1,7% e 1,5% para 2019 e 2020, respectivamente.

O FMI explica no ‘Fiscal Monitor’ que as projecções assentam num cenário de políticas invariantes.

Outras Notícias