Empresas do Norte têm autonomia financeira mais elevada do que total nacional

26 Jul 2019 / 01:41 H.

As empresas da região Norte demonstraram em 2017 uma autonomia financeira mais elevada quando comparada com o total nacional, indica um estudo publicado hoje pelo Banco de Portugal (BdP).

O Estudo da Central de Balanços n.º 38 - Análise das empresas da região Norte, que faz uma avaliação da situação económica e financeira das empresas nortenhas, aponta que em 2017 “a autonomia financeira era mais elevada na região Norte (38%) quando comparada com o total nacional (33%)”.

“Esta região apresentava, ainda, um rácio de crédito vencido inferior ao registado pelo total das empresas em Portugal”, lê-se no estudo do BdP.

Ainda de acordo com a análise, há dois anos cerca de 144 mil empresas tinham a sua sede na região Norte, o que correspondia a um terço das empresas portuguesas.

“Estas empresas empregavam um terço das pessoas ao serviço em Portugal e geraram 29% do respetivo volume de negócios”, continua o estudo apontando pata um valor que ronda os 101 mil milhões de euros.

Este é o primeiro de uma série de análises regionais que descreve o BdP, tem como objetivo cobrir a totalidade do território nacional segundo a sua desagregação atendendo à Nomenclatura das Unidades Territoriais para fins Estatísticos (NUTS).

Assim, a região Norte está decomposta pelas sub-regiões Alto Minho, Cávado, Ave, Área Metropolitana do Porto, Alto Tâmega, Tâmega e Sousa, Douro e Terras de Trás-os-Montes.

O estudo destaca ainda que, em 2017, 19% das empresas da região Norte realizaram exportações, ainda que apenas 8% integrasse o setor exportador, o qual, refere o estudo, “foi responsável por 41% do volume de negócios gerado pelas empresas da região”.

O Estudo da Central de Balanços n.º 38 - Análise das empresas da região Norte aborda um conjunto de indicadores económico-financeiros, entre os quais a rendibilidade dos capitais próprios, que foi, em 2017 e ainda conforme descreve a análise do BdP, “marginalmente superior à registada no total do território (9%)”.

O mesmo estudo revela que, dentro da zona Norte, as empresas sediadas na Área Metropolitana do Porto foram responsáveis pela maior parte do volume de negócios gerado na região em 2017 (60%).

“A maior relevância desta sub-região estendia-se também às estruturas tendo em conta o número de empresas e de pessoas ao serviço (53% e 54%, respetivamente)”, lê-se no estudo que também apresenta dados por setor de atividade.

“A indústria e o comércio foram responsáveis, em conjunto, por 73% do volume de negócios gerado pelas empresas da região Norte em 2017. A preponderância destas atividades era transversal a toda a região Norte, ainda que, atendendo ao número de empresas, se destacasse o peso dos outros serviços (43% das empresas da região)”, refere a análise.

O BdP enumera ainda que, em 2017, 87% das empresas sediadas no Norte eram microempresas, representando 19% do volume de negócios e 28% das pessoas ao serviço da região.

É também descrito que as pequenas e médias empresas, que são 13% das empresas com sede na região Norte, geraram 50% do volume de negócios e agregavam 53% das pessoas ao serviço.

Outras Notícias