DGS vai divulgar “nos próximos dias” orientações para hotelaria

27 Fev 2020 / 19:49 H.

A Direcção Geral da Saúde (DGS), que esteve reunida esta terça-feira com a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), comprometeu-se a divulgar, “nos próximos dias”, uma orientação específica para o sector hoteleiro, no âmbito do novo coronavírus, designado Covid-19.

Conforme apontou a associação em comunicado, a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, comprometeu-se a divulgar, “nos próximos dias, uma orientação específica para a hotelaria”, à semelhança das que já foram divulgadas para as empresas, aeroportos, companhias aéreas, agências de navegação, autoridades marítimas e portuárias.

A AHP recordou ainda que lançou, esta semana, um ‘kit’ de boas práticas e orientações, que distribuiu em formato digital junto dos hotéis.

Da reunião de hoje resultou também o “reforço de orientações e procedimentos a adoptar nas unidades hoteleiras: na recepção e acolhimento dos hóspedes; no que respeita a cuidados de limpeza e higienização; e nos procedimentos a seguir quando surge um caso suspeito de infecção e como é feito o seu encaminhamento dentro do hotel e para as autoridades de saúde”, acrescentou.

No encontro estiveram representados, além da AHP e da DGS, o gabinete da secretária de Estado do Turismo, o Turismo de Portugal, bem como a Confederação do Turismo de Portugal.

O balanço provisório da epidemia do coronavírus Covid-19 é de 2.800 mortos e mais de 82 mil pessoas infectadas, de acordo com dados reportados por 48 países e territórios.

Das pessoas infectadas, mais de 33 mil recuperaram.

Além de 2.744 mortos na China, onde o surto começou no final do ano passado, há registo de vítimas mortais no Irão, Coreia do Sul, Itália, Japão, Filipinas, França, Hong Kong e Taiwan.

A Organização Mundial de Saúde declarou o surto do Covid-19 como uma emergência de saúde pública de âmbito internacional e alertou para uma eventual pandemia, após um aumento repentino de casos em Itália, Coreia do Sul e Irão nos últimos dias.

Em Portugal, a Direcção-Geral da Saúde registou 25 casos suspeitos de infecção, sete dos quais ainda estavam em estudo na quarta-feira à noite.

Os restantes 18 casos suspeitos não se confirmaram, após testes negativos.

No seu primeiro boletim diário sobre a epidemia, divulgado na quarta-feira, a DGS indicou que, “de acordo com a informação actual, o risco para a saúde pública em Portugal é considerado moderado a elevado”.

O único caso conhecido de um português infectado pelo novo vírus é o de um tripulante de um navio de cruzeiros que foi internado num hospital da cidade japonesa de Okazaki, situada a cerca de 300 quilómetros a sudoeste de Tóquio.