Costa revela “desassossego da vontade de fazer mais e melhor”

12 Jul 2019 / 17:36 H.

O primeiro-ministro revelou hoje, em jeito de balanço da legislatura, partilhar a “tranquilidade da consciência” com o “desassossego da vontade de continuar a fazer mais e melhor”, e salientou que a “marca fundamental” do Governo “é a confiança”.

“A marca fundamental desta legislatura creio que é a confiança, confiança no funcionamento das instituições democráticas, mas confiança também nos resultados alcançados”, disse António Costa num vídeo divulgado no ‘site’ oficial do Governo denominado “Prestar Contas”.

Ao longo do vídeo, que acompanha um balanço da execução do programa do Governo nos últimos quatro anos, o primeiro-ministro dá conta dos resultados de algumas medidas adotadas pelo executivo.

“É isto que nos é pedido, evitar criar problemas, resolver os problemas que existem e construirmos o futuro. É por isso que, quando olho para esta legislatura, partilho a tranquilidade da consciência com o desassossego da vontade de continuar a fazer mais e melhor”, admitiu o socialista.

No texto que acompanha o vídeo, é referido que “das 1.086 medidas inscritas no Programa do Governo, 81% foram concretizadas”.

Ao longo de pouco mais de dois minutos, Costa refere que “pela primeira vez desde o início do século”, Portugal cresceu “acima da média europeia”, que “foram criados 350 mil novos postos de trabalho, 89% dos quais sem serem contratos a termo” e que o país conta atualmente com “o mais baixo nível de desigualdades de sempre, com 180 mil famílias a deixarem de estar em risco de pobreza e 380 mil famílias a terem deixado de estar em privação material severa”.

“Estivemos a reparar o passado, estivemos a cuidar do presente mas, sobretudo, a preparar o futuro”, salientou, notando que Portugal se sagrou no ano passado “o país da União Europeia que mais reduziu as emissões de CO2”, que “em 2017 e 2018” voltou a “ter saldos migratórios positivos” e que reforçou “a sustentabilidade da nossa Segurança Social que, nestes quatro anos, ganhou mais 22 anos de sustentabilidade”.

Apesar de admitir que “há ainda muitos problemas para resolver”, o primeiro-ministro assinalou que “é para isso” que trabalha “dia a dia, a procurar responder”.

“Quando há problemas na saúde, como houve nas maternidades de Lisboa, encontrámos soluções para este Verão, os problemas que surgiram com a emissão do Cartão de Cidadão estamos a adotar medidas e, de maio para junho, aumentámos a produção mensal de cartões de cidadão de 250 mil para 305 mil”, elencou.

O chefe de Governo vincou ainda que o Governo tem procurado resolver os “problemas nos transportes”, observando que quando tomou posse “havia 30 composições do metropolitano paradas por falta de manutenção, hoje, felizmente, estão todas a funcionar”, que “a Soflusa e a Transtejo têm barcos de reserva e estão já encomendadas 22 novas composições para a CP”.

A nota divulgada hoje no ‘site’ menciona que, com esta iniciativa, “o Governo cumpre uma das promessas feitas no seu programa, colocando à avaliação de todos os portugueses a execução das medidas” com que se comprometeu em 2015.

Este balanço da governação é, por isso, um “exercício de transparência e de valorização da participação cívica”, é defendido.