Não há nada como ter saúde

Não me entra na cabeça que as vagas para medicina sejam tão limitadas e depois existam listas de espera tão grandes para determinadas consultas ou operações

12 Set 2019 / 02:00 H.

Parafraseando um grande amigo meu, a partir de uma certa idade nunca te dói nada, dói-te sempre qualquer coisinha. A verdade é que podemos ter todo o dinheiro do Mundo, sermos reconhecidos, aclamados, idolatrados ou elogiados, conseguir atingir posições de destaque, darem-nos valor, sermos respeitados e até invejados mas quando nós ou alguém próximo tem um problema de saúde grave, parece que tudo passa para segundo plano, deixa de contar e rapidamente fazemos contas à vida e percebemos que trocaríamos tudo o que atingimos até então pela resolução dessa doença. É o nosso maior Bem e aquele que por ironia do destino menos podemos controlar.

É por isso que a grande aposta dos políticos deve ser sempre virada para a Saúde. Só ela nos pode garantir o bem estar, a tranquilidade e a paz de espirito para conseguirmos desenvolver os nossos objectivos e os projectos que temos em mente da melhor forma possível. Não há ninguém que ande preocupado com uma dor ou assustado com algum diagnóstico que se apresente no seu melhor no dia a dia. É impossível. O nosso corpo não se consegue dissociar da mente. A produtividade não é a mesma nem a capacidade para nos dedicarmos ao que estamos a fazer e às pessoas à nossa volta. Por muito que queiramos afastar esse tipo de pensamentos e seguir em frente há sempre qualquer coisa cá dentro que puxa a nossa cabeça para as nossas preocupações e não há maior do que algo que nos afete direta ou indiretamente.

Eu acho que esse deve ser o grande desígnio de quem comanda os nossos destinos. Se já sabemos que ninguém até ver vive para sempre, dotar os nossos sistemas de saúde e as nossas infraestruturas do máximo de condições possíveis para que possamos todos ter acesso a cuidados de qualidade, a boas instalações, a um acompanhamento que nos permita debelar pequenos casos rapidamente para que não se tornem em casos mais graves e na sensibilização da população para aquilo que devem ser os cuidados a ter e os rastreios a fazer para que possamos acompanhar o evoluir do nosso corpo. Nenhuma pessoa neste planeta devia ainda no Século XXI ser condicionada ou limitada na sua Vida por não ter condições financeiras para pagar este ou aquele tratamento e não deveria existir lobbie algum que conseguisse atrasar ou esconder propositadamente tratamentos inovadores que possam conduzir a alívios de sintomas ou aumentos da esperança média de vida.

Acreditar na ciência e no seu desenvolvimento , na investigação que às vezes parece um pouco esquecida e na qualificação dos médicos enfermeiros e demais é acima de tudo fazer uma aposta no que realmente importa acima de tudo o resto. Já é suficientemente mau vermo-nos confinados a uma cama de Hospital, é fundamental que também esses tempos enquanto recebemos cuidados médicos possam ser de maior qualidade , onde os doentes possam ser bem tratados com as melhores técnicas existentes ao seu dispor e que tudo seja feito para que recuperem rápido.

Contribuir para um acesso mais plural e para melhores condições é no fundo antecipar a nossa sorte porque por esta razão ou por aquela acabamos sempre por lá passar. Não me entra na cabeça que as vagas para medicina sejam tão limitadas e depois existam listas de espera tão grandes para determinadas consultas ou operações. A vida das pessoas não pode nem deve esperar e muito menos passar para segundo plano porque o tempo neste tipo de situações é muitas vezes determinante para o sucesso ou insucesso do tratamento. Acredito que quem nos trata tente sempre fazer o melhor para ficarmos bem mas isso também depende muito dos meios que têm à sua disposição. Não há nada como ter Saúde e por isso devemos todos lutar por ela até ao limite das nossas forças.

José Paulo do Carmo
Outras Notícias