Portugal: um País numa situação frágil

04 Dez 2019 / 02:00 H.

O governo do PS, com o Bloco e com o PCP, tem deixado Portugal numa situação profundamente critica e frágil. Vejamos. Nunca o Sistema Nacional de Saúde esteve tão mal como está atualmente. São urgências encerradas, listas de espera de meses e mesmo de anos, rutura em abastecimentos, dívidas acumuladas a chegar aos mil milhões de euros, falta de enfermeiros e de médicos, a mortalidade infantil a crescer, etc, etc. Este “governo das esquerdas” tem sido o maior aliado dos hospitais privados pois milhões de portugueses têm “fugido” dos hospitais públicos para os privados devido precisamente à falta de resposta dos hospitais públicos. Curiosamente este caos não se justifica, apenas, pela falta de dinheiro. Justifica-se principalmente pela má gestão do governo. A ministra da Saúde nem uma simples escala de médicos consegue fazer... quanto mais administrar um hospital. Muito menos um Ministério. Aliás assistir a uma intervenção desta Ministra da Saúde na Assembleia da República até dá dó. Mas não é só na área da Saúde que o país enfrenta sérios problemas. Nos transportes também. O serviço público de transportes em Portugal nunca foi tão mau e irregular como agora. Sejam os comboios, os autocarros, os metros e os barcos o caos é total. As populações queixam-se - e com razão - que as supressões são constantes. Os atrasos e cancelamentos são a rotina. A sobrelotação e a péssima manutenção do material circulante são evidentes. Nunca tivemos um sistema público de transportes tão mau como o atual com o “governo das esquerdas”. Mas também na Segurança Pública. Policias desmotivados, mal pagos, desautorizados pela Tutela, nada acompanhados, sem meios, com esquadras sem as mínimas condições. Uma vergonha. Ainda mais quando Portugal é um dos países mais seguros do Mundo e isso deve-se bastante às forças policiais que temos. Na Justiça o desencanto com “o governo das esquerdas” é grande. Desde logo quando a Ministra da Justiça dá sinais públicos de “acarinhar” quem pratica crimes em vez de incentivar os que cumprem a Lei e as suas obrigações. Isto já para não falar que se esquece das vítimas. Já na Educação é a bandalheira geral. O facilitismo do “governo das esquerdas” está a destruir a qualidade e o bom nome do Ensino. Agora a moda é passar alunos mesmo que não saibam nada. Claro que a intenção é ficar bem na fotografia das estatísticas. Com uma agenda ideológica e incompetente o balanço é a bandalheira nas escolas públicas. Muitas escolas encerradas por falta de condições e de pessoal auxiliar e milhares de estudantes sem professores. É este o balanço.

Curiosamente todo este caos nos Serviços Públicos - que ninguém de bom senso pode negar - é feito pelo “governo das esquerdas” que mantém e até faz crescer constantemente a maior carga fiscal de sempre em Portugal. Nunca se pagou tanto para receber em troca um tão mau serviço público. É por isso que quando vejo alguns - cada vez menos - a comemorarem “os sucessos deste Portugal” percebo que ainda não se aperceberam de duas realidades. Isto está mal e está tudo colado a cuspe. Portugal está frágil.

Paulo Neves

Tópicos

Outras Notícias