I Simpósio Internacional ‘Que Saber(es) para o Século XXI? História, Cultura e Ciência na/da Madeira’

08 Fev 2014 / 03:00 H.

Como tivemos o privilégio de participar neste Simpósio, o qual se realizou na passada semana, não posso deixar de dedicar-lhe estas linhas, de modo a partilhar alguns pensamentos. O projeto “Aprender Madeira”, da responsabilidade da APCA - Agência de Promoção da Cultura Atlântica - no qual se integrou o referido evento, magistralmente coordenado pelo Prof. Doutor José Eduardo Franco, é, sem dúvida, um marco na cultura desta Região.

Nas palavras do seu coordenador científico, “está a decorrer uma das maiores operações de investigação de sempre sobre a História, Cultura e Ciência no/do arquipélago madeirense”. Criar um Dicionário Enciclopédico da Madeira, neste início do séc. XXI, é sem dúvida, uma obra “gigante”, que só com muitos contributos poderá ser levada a bom porto. Nele constam 25 áreas temáticas, com imensas entradas, escritas por um número considerável de investigadores da Madeira e do Continente, resultando no maior compêndio de conhecimento em toda a história científica da Madeira. Da nossa parte sentimo-nos honrados pela oportunidade de também podermos contribuir para esta grande obra, e acima de tudo estarmos empenhados em dar o nosso melhor. Pelo que ouvimos e constatamos pelos coordenadores das áreas temáticas que proferiram comunicações, todos estão comprometidos e altamente motivados para dar corpo a esta grande obra. Este Simpósio, dividido em seis painéis interdisciplinares permitiu vinte e quatro comunicações e quatro conferências, que consideramos de muita qualidade. No entanto, a participação foi reduzida quase exclusivamente a investigadores e autores envolvidos neste projeto. Não tenho dúvidas de que existem muitos mais interessados nestas áreas científicas e que deveriam ter marcado presença, dando o seu contributo com ideias e sugestões nos debates realizados após cada um dos painéis.

Esperamos que os próximos Simpósios reúnam um maior número possível de investigadores residentes na Madeira e outros vindos do exterior de modo a que, partilhando o seu conhecimento, contribuam para um futuro melhor na nossa Região Autónoma, em que a História, a Cultura e Ciência tenham o papel que merecem na nossa Sociedade.

Carlos Gonçalves

Outras Notícias