Mas que grande Mudança...

Certamente que os novos vencedores não darão a outra face, mas responderão ao ódio com amor

08 Out 2013 / 02:00 H.

No Sábado, dia 28-09, estava eu na casa de um amigo, num almoço, quando  alguém me perguntou a opinião sobre os resultados eleitorais do dia seguinte. Respondi-lhe que suspeitava de uma perda de seis câmaras par o PSD…De imediato me disseram que eu estava louco, que isso seria impossível de uma só vez e que nem a câmara do Funchal seria perdida, quanto muito Santa Cruz e S. Vicente, porque eram as mais evidente e e, de facto, foram as que bateram no PSD com mais força. Argumentei que quando da arruada ao passarmos em frente à sede de campanha do PSD, deparamo-nos com um autêntico velório. Todos com uma cara sisuda, cabisbaixos, mostrando desanimo e derrota…
Claro que não acreditaram nas minhas “ sondagens”, mas eu continuei a acreditar que tinha razão. E tive, pois falhei por defeito.
Pensei no que o PSD e o CDS, têm tirado à população, e em especial aos reformados e funcionários públicos, o aumento do IVA de 16 para 22%, na generalidade, incluindo a restauração que passou de 9 para 22%, o aumento do desemprego, o aumento da fome de muitas pessoas que trabalharam uma vida inteira, fazendo os seus descontos com esperança de uma velhice sem sobressalto, do aumento da criminalidade, o aumento dos suicídios, o aumento do IRS, do IRC, do imposto sobre a gasolina, a degradação das nossas estradas, diminuição de subsidio de desemprego, aumento de falências e insolvências, das obras interrompidas, etc…seriam motivos mais do que suficientes para uma diminuição de votos nos partidos da coligação a nível nacional e do governo regional, os insultos que todos os dias caíam em cima das pessoas, vindos de gente que deveria ser muito mais responsável, de uma igreja acomodada, sem tomar o partido do evangelho, salvo raras e boas excepções, um jornal, pago por todos nós, ao serviço de um partido e de alguns lambe botas, materiais de construção (cimento e telhas), alguns decididos antes das eleições, mas entregues depois, porque não chegaram a tempo, tentativas de aldrabices nas eleições para deturpar os resultados, obrigando a uma fiscalização muito maior por parte da oposição, são tudo coisas que a população vai vendo e vai calando, sente medo de ser perseguido, por si e pelos seus filhos, de perder o emprego, mas os governantes não se aperceberam das dificuldades porque está a passar a população, acabaram-se os lugares para dar aos amigos e compadres, aumentou a insegurança, quer física, quer socialmente, os governantes estavam cegos, mais preocupados em chegar ao poleiro do que resolver os problemas da população, as farmácias e os consultórios dos médicos estão vazios, não porque gozemos de mais saúde, mas porque não há dinheiro para comprar os medicamentos. O povo sofre, mas esteve de olhos bem abertos para poder escolher o local onde pôr a cruzinha no dia dos votos. Mudaram sete dos onze concelhos, falhei por um, por defeito e garanto-o que estava mal informado. Como diz o povo, foi uma “chicharrada”, perderam  mais de metade. Depois o contraste nas televisões, uns eufóricos, outros derrotados, com a sua cara de enterro e outros fugindo, recusando-se a falar, contrariamente ao que aconteceu quatro anos antes, que só pensavam em espezinhar aqueles que julgavam ter votado contra, alguns com um sorriso de orelha a orelha, não souberam ganhar, como agora não souberam perder.
A falta de humildade continuou a ser grande, procurando alguns argumentos por todos os lados para justificar tamanha derrota: Os culpados foram os mesmos, a troika, a trilateral, a maçonaria, o governo da república, a comunicação social, jornal, rádio e RTP/ Madeira…e eles não tiveram culpa nenhuma de perderem tantos votos….é assim a vida, uns com muito e outros com pouco, começou a alternância e tudo indica que vai começar a democracia, acabando-se de vez com o deficit democrático existente nesta terra há tanto anos…Certamente que os novos vencedores não darão a outra face, mas responderão ao ódio com amor. Os vencedores, disseram que primeiro estão as pessoas e estou convencido que vão cumprir a promessa…
Fiquei contente com uma expressão que ouvi na RTP/Madeira, pronunciada por um jovem acabado de ser eleito presidente da Câmara de S. Vicente, ex- militante do PSD e muito conhecedor do partido a que pertenceu : “ acabou-se o medo em S. Vicente, viva a Democracia”…..
Durante a campanha eleitoral o presidente do PSD, Dr. Alberto João, pediu ao povo para que não votassem em bandidos e a população fez-lhe a vontade…

Duarte Caldeira Ferreira