A revolta de Manufhai - 1912

O régulo Dom Boaventura é um dos maiores símbolos nacionalistas timorenses

05 Dez 2012 / 03:00 H.

No passado dia 28 de novembro de 2012, em Same, Timor-Leste, celebraram-se as comemorações dos 100 anos da revolta de Manufhai.

Motivos
Com a implantação da República, a 5 de outubro de 1910, alguns régulos não aceitaram a mudança do regime. Os chefes tradicionais, que tinham jurado fidelidade ao rei de Portugal, temiam que fossem destituídos e perdessem as regalias com o regime republicano. As tensões agravaram-se, em 1911, com as notícias vindas de Lisboa sobre novos impostos (a capitação passaria de uma para duas patacas; o corte de sândalo seria taxado de duas patacas; os coqueiros e os gados seriam recenseados; acresce um imposto de cinco patacas sobre os animais abatidos, etc.). 

Origem da revolta
Na véspera do dia de Natal, de 1911, um tenente português foi assassinado por pessoas do régulo. Seguiram-se escaramuças entre militares e guerreiros locais. Vários reinos aliaram-se a Dom Boaventura e surgiram duros combates em várias localidades. O régulo refugiou-se em Betano, mas foi detido a 26 outubro de 1912. Os militares controlaram a situação, apenas, ao fim de um ano, com ajuda de alguns reinos que se mantiveram fiéis a Portugal.

O "verdadeiro motivo"
Mateus Tilman, chefe de suco e liurai de Manufahi, em julho de 2004, no café Acait, Dili, disse-me que os seus avós sempre lhe contaram, que um militar português namorou uma das mulheres do régulo. Outras pessoas confirmaram, também, que esta foi a "verdadeira" causa da revolta.

Num recente livro de D.Ximenes Belo, além dos motivos políticos, nacionalistas e económicos da revolta de Manufahi, descreve que "uma fonte holandesa diz que o oficial português tinha violado a liurai feto, mulher do liurai de Manufahi."

Os timorenses são implacáveis em fazer justiça, principalmente, se está em causa a sua honra. É muito provável que este episódio (da mulher do régulo), possa ter despoletado a revolta. Os outros motivos (abolição da monarquia e novos impostos) explicam, sem dúvida, o forte apoio que D. Boaventura recebeu de outros reinos e a sangrenta resistência, que se prolongou até final de 1912.

Consequências
Dom Boaventura foi preso e o seu destino é incerto. Alguns dizem que foi assassinado e está sepultado em frente à porta do cemitério de Santa Cruz. Mas, não há certeza. Esta revolta provocou cerca de 3000 mortos, dizem uns. Segundo outras fontes, como D.Ximenes Belo, terá provocado entre 15 000 a 25 000 mortos.

Os régulos timorenses nunca mais gozaram regalias, que vinham desfrutando durante a monarquia. D. Boaventura, porém, passou a ser considerado como um dos maiores símbolos nacionalistas timorense.

João Luís Gonçalves, Procurador da República no TAF Loulé

Outras Notícias