Talibãs invadem posto policial em Mangarhar e matam sete agentes afegãos

16 Jul 2018 / 12:07 H.

Os talibãs invadiram um posto policial na província de Nangarhar, no Afeganistão, e mataram sete agentes, revelou hoje uma autoridade daquela província afegã.

O ataque ocorreu na noite de domingo no distrito de Ghani Kahil, disse o chefe de polícia da província, Ghulam Sanayee Stanikzai. Cinco combatentes talibã foram mortos no ataque, acrescentou.

Stanikzai também disse que no distrito de Khogyani, igualmente na província de Nangarhar (este), um ataque aéreo do governo na noite de domingo matou 20 combatentes talibã.

Não houve qualquer declaração dos talibã sobre o ataque aéreo.

No domingo, um homem-bomba, a pé, fez-se explodir do lado de fora do prédio do Ministério de Reabilitação e Desenvolvimento Rural na capital, Cabul, matando sete pessoas e ferindo outras 15.

O grupo Estado Islâmico reivindicou a responsabilidade pelo ataque, em comunicado divulgado hoje pela sua agência de notícias (Aamaq), dizendo que atacou funcionários do governo e alertando que os seus ataques atingirão “todos os que ajudarem os cruzados”, um termo que os militantes usam para se referir às forças estrangeiras.

No mês passado, um atentado suicida perto do mesmo ministério matou 12 pessoas e feriu outras 31, a maioria funcionários do governo.

Na segunda-feira, um suspeito foi baleado e morto pela polícia em Cabul antes de se aproximar de um grupo de simpatizantes do primeiro vice-presidente do país, general Abdul Rashid Dostum, segundo o porta-voz da polícia Hashmat Stanekzai. Dostum está actualmente na Turquia.

Ninguém assumiu imediatamente a responsabilidade pelo ataque, mas tanto os talibã como o grupo do Estado Islâmico intensificaram os seus ataques em Cabul.

Entretanto, intensas batalhas continuam a acontecer há uma semana entre os talibã e o grupo estado Islâmico na província de Jawzjan, no norte do país, de acordo com o general Faqir Mohammad Jawzjani, chefe de polícia da província.

Jawzjani disse hoje que cerca de 70 combatentes do Estado Islâmico e 54 insurgentes talibãs podem ter sido mortos nos combates nos distritos de Darzab e Qushtipa.

As informações, que vieram dos lados rivais, não puderam ser imediatamente verificadas pelas forças de segurança, disse Jawzjani.

“Ambos os lados estão a usar armas leves uns contra os outros, com as batalhas a ocorrerem principalmente nas aldeias dos dois distritos”, acrescentou.

Um comunicado dos talibã refere que, além de matar 70 combatentes do grupo Estado Islâmico (EI), incluindo cinco líderes, em Darzab, outros 21 foram capturados durante a batalha. O IS não reagiu a esta informação.