Mundo

Polícia brasileira prende dois homens que planeavam libertar traficante preso no Paraguai

Foto DR
Foto DR

Dois suspeitos de participarem num plano para libertar o traficante brasileiro Marcelo Fernando Pinheiro Veiga, considerado um líder da principal organização criminosa do Rio de Janeiro, preso no Paraguai, foram detidos hoje pelas autoridades brasileiras.

O plano de fuga foi denunciado à Secretaria de Segurança do Rio de Janeiro por meio de um programa de denúncias.

Com os dados fornecidos anonimamente, os policias aproximaram-se, no município de Seropédica (sul do estado do Rio de Janeiro), de um autocarro que iria à cidade de Foz do Iguaçu, localizada na fronteira do Brasil com o Paraguai e Argentina, e prenderam os dois suspeitos.

Ambos estavam em liberdade condicional mas, de acordo com o Secretaria de Segurança do Rio de Janeiro, nenhum tinha autorização para deixar o estado.

Marcelo Fernando Pinheiro Veiga foi preso em 13 de dezembro na cidade paraguaia de Encarnação, acusado de participar em crimes relacionados com o tráfico de drogas.

O traficante, contra o qual havia então 22 mandados de prisão, é considerado um dos líderes do Comando Vermelho (CV), a principal organização criminosa do Rio de Janeiro.

As autoridades brasileiras já têm em curso o pedido de extradição ou deportação, mas primeiro ele terá que responder à Justiça paraguaia por ter sido preso com armas e documentos falsos.

Marcelo Fernando Pinheiro Veiga fugiu da prisão em 2007 quando um juiz o autorizou a visitar a sua família e estava foragido até dezembro do ano passado, quando foi capturado no Paraguai.

Segundo as autoridades brasileiras, o criminoso comandava gangues que controlam o tráfico de drogas nas favelas do Rio de Janeiro de Mandela e Manguinhos, tendo sido responsável por um ataque armado a uma esquadra de polícia para libertar um prisioneiro.

Marcelo Fernando Pinheiro Veiga mudou-se para o Paraguai há cerca de cinco anos e criou uma importante rede de contactos e logística para enviar drogas e armas para o Brasil, de acordo com a investigação realizada pelas autoridades de segurança.