Milhares de manifestantes contra reformas sociais na Tunísia

11 Ago 2018 / 16:37 H.

Milhares de pessoas manifestaram-se hoje, na capital da Tunísia, contra as reformas sociais propostas por uma comissão presidencial, que incluem a igualdade de direitos de herança entre mulheres e homens e a despenalização da homossexualidade.

“Defenderemos o islão com o nosso sangue”, gritaram os manifestantes, homens e mulheres, empunhando o Alcorão, livro sagrado dos muçulmanos.

Os manifestantes responderam ao apelo de um coletivo, autointitulado Coordenação Nacional para Defender o Alcorão e a Constituição, que agrega representantes religiosos e universitários e personalidades pró-islamitas.

“Vimos defender os princípios da nossa religião”, disse Dorra Farrah, uma manifestante de 22 anos, em declarações à agência AFP.

“Querem mudar os pilares do islão”, protestou Mokhtar Abderrahman, manifestante de 60 anos.

Em junho, a Comissão para as Liberdades Individuais e a Igualdade, formada há um ano pelo Presidente Beji Caid Essebsi, propôs uma série de reformas para verter para as leis a igualdade inscrita na Constituição desde 2014.

Entre as propostas está a igualdade de direitos na herança para mulheres e homens, enquanto a lei atual, apoiada no Alcorão, prevê que um homem herde o dobro da mulher com o mesmo nível de parentesco.

Após meses de encontros com a sociedade civil e os partidos políticos, a comissão propôs igualmente a despenalização da homossexualidade e a abolição da pena de morte, reformas saudadas pelos defensores dos direitos humanos.

A comissão garante que as propostas não colidem com “a essência do islão”.

Para segunda-feira, está prevista uma manifestação a favor das reformas propostas, igualmente em Tunes, após o discurso do Presidente tunisino a propósito do Dia da Mulher.