Solução para tratamento de lixos hospitalares poupa 500 mil euros por ano à Região, diz Albuquerque

720 mil euros foi quanto o Governo Regional investiu

22 Jan 2019 / 17:32 H.

Os resíduos hospitalares do grupo III produzidos na Região têm, a partir desta terça-feira, uma nova solução de tratamento por desinfecção através de autoclavagem. Todo este trabalho será feito na Estação de Resíduos da Meia Serra. O Governo Regional investiu 720 mil euros para implementar o projecto e conta poupar 500 mil euros ao ano, agora que está concluído.

“Este investimento é muito importante porque vem garantir um retorno imediato. Investimos 720 mil euros e vamos poupar 500 mil euros por ano”, disse o Presidente do Governo Regional, esta manhã, durante a apresentação oficial, na Estação de Resíduos da Meia-Serra. Miguel Albuquerque enfatizou “a grande vantagem” do projecto, já que “não termos que mandar o dinheiro para lá em transporte, em tratamento final, e ainda reutilizamos os contentores – reutilizar, não reciclar – que ficam aqui na Região”. Ou seja, acrescentou o Chefe do Governo madeirense, “é também um investimento na economia da Madeira, uma vez que o dinheiro continua a estar aqui e não é mandado para fora”.

Miguel Albuquerque congratulou as empresas que trabalharam na nova solução, sublinhando que este é “um equipamento de vanguarda para garantir à Região o reforço da autonomia em termos ambientais”. E aproveitou a deixa para lembrar que em 2010 o desemprego na Madeira foi “maciço”, ano em que “as obras pararam”.

Para rematar, o governante sublinhou: “Esta semana as notícias continuam a ser boas para a Região: a nossa economia continua a crescer há 65 meses com uma média de 2,6%. Ainda hoje, mostram os dados estatísticos, tivemos o melhor ano em termos de criação de empresas: 2018 foi um ano recorde. Desde 2005 não se criavam tantas empresas na Região. E temos uma das taxas de emprego menores desde há muitos anos”.

Mais, afirmou o candidato do PSD às eleições regionais: “Vamos no caminho certo. Conto com todos vós para nos ajudar nesta caminhada de progresso, desenvolvimento e também, obviamente, de desenvolvimento ambiental da Madeira”.