Raquel Coelho contesta entrega da ligação marítima à empresa de Navegação Madeirense

25 Set 2018 / 16:05 H.

O PTP apresentou esta tarde na Assembleia Legislativa da Madeira, uma projeto de Resolução para o “estabelecimento de uma ligação marítima de passageiros, veículos e mercadorias entre a Madeira e o Continente Português de serviço público”.

Raquel Coelho, a porta-voz da iniciativa, “contestou” a solução encontrada pelo Governo Regional, que entregou à empresa de Navegação Madeirense (ENM) a ligação ferry entre a Madeira e o Continente. Pois no entender da deputada implica um elevado custo para os contribuintes, tendo a região de pagar três milhões de euros por ano ao operador, a título de indemnizações compensatórias, para fazer apenas 12 viagens entre Junho e Setembro.

A deputada do PTP referiu que o concurso internacional deixou muitas “dúvidas” e que não havia “necessidade da ligação ser assegurada por uma empresa intermediária, podendo o Governo Regional ter alugado por sua conta um ferry para fazer a ligação com o exterior”.

O PTP entende que “a forma economicamente mais viável para garantir a ligação marítima com exterior seria conseguir um acordo com as empresas ferry de Canárias”, mas que perante essa impossibilidade, “deve o Governo Regional juntamente com o Governo da República assumir uma ligação marítima anual para o transporte de passageiros, veículos e mercadorias entre a Madeira e o Continente Português de serviço público”.

O PTP acredita que com a operação pública poderia “garantir a continuidade territorial a preços mais competitivos e de forma transparente”. Podendo até resolver outro problema que passa pelos elevados custos em trazer mercadorias para a ilha.