PS lamenta ‘chumbo’ do PSD à proposta sobre desgaste docente

13 Fev 2020 / 14:58 H.

Numa nota de imprensa assinada pelo deputado Rui Caetano, o Partido Socialista lamentou, esta quinta-feira (13 de Fevereiro), o sentido de voto do PSD, que chumbou a proposta sobre o envelhecimento e o desgaste profissional da profissão docente, apresentada pelo grupo parlamentar do PS.

“Com esta reprovação, o Governo Regional da Madeira confirma, sem dúvidas, que não tomará nenhuma medida política que vá dar resposta à grave situação de cansaço, stress e exaustão de muitos dos professores que estão a leccionar nas nossas escolas”, começa por apontar Rui Caetano, realçando que “os argumentos apresentados, de forma bastante efusiva, pelo grupo parlamentar do PSD, para chumbarem a proposta do PS, mostram que preferem esconder os problemas, optam por desviar o foco da situação real dos professores, tentam passar a ideia de que na Madeira está tudo bem e que os argumentos do PS não são verdadeiros”.

“O grupo parlamentar do PSD afirmou claramente que não era necessário tomar medidas porque os professores já tinham as reduções lectivas necessárias, os conselhos executivos tinham créditos horários para responderem às situações graves e, pasme-se, foi dito ainda que, nas escolas da Madeira, havia uma média de sete alunos por professor”, observa, considerando esta última uma afirmação “grave”, que “ajuda a desvalorizar o trabalho dos professores” e “contribui para os discursos que pretendem denegrir a classe docente”.

“Ao fazerem as contas que lhes interessam, e ao atirarem com médias que induzem ao erro, não estão a ser correctos e escondem o óbvio, não falam dos destacados nem do número de alunos das turmas problemáticas, dos cursos CEF e profissionais, dos concelhos com poucos alunos, entre outras particularidades das turmas e das escolas. Os professores conhecem bem a sua realidade e, apesar destes argumentos do PSD, sabem contar quantos alunos têm dentro da sala de aula e garantimos que não são apenas sete alunos”, sustenta o socialista.

Recorde-se que na sessão plenária de ontem o PSD votou contra as duas propostas do PS que pretendiam dar resposta a esta situação do desgaste profissional da profissão docente. A primeira pretendia salvaguardar o direito dos professores e das professoras com 60 ou mais anos de idade de optarem por substituir a componente lectiva dentro da sala de aula por outro tipo de funções de interesse para a Escola e de acordo com o Projecto Educativo da Escola. Já a segunda proposta visava implementar um regime de pré-reforma, na Região.