Portugal não pode ceder às chantagens do regime de Maduro

21 Fev 2020 / 16:53 H.

O grupo parlamentar do PSD lamentou hoje a mais recente demonstração da “atitude ditatorial e fascista” do regime de Nicolás Maduro, ao deixar a comunidade portuguesa na Venezuela isolada, conforme afirmou o deputado Carlos Fernandes, numa iniciativa realizada, junto ao Consulado daquele país, no Funchal.

O deputado referiu que esta suspensão da TAP, por 90 dias, não representa apenas uma sanção à companhia aérea, mas a todos os portugueses que vivem na Venezuela e aos que cá estão e que continuam a ter uma ligação contínua àquele país.

“Hoje, o Grupo Parlamentar do PSD está solidário com a nossa comunidade, uma comunidade que, mais uma vez, está a ser prejudicada por uma ditadura que ainda não percebeu que o seu tempo já passou”, disse Carlos Fernandes, exigindo ao Governo português “uma diplomacia muito mais ativa”, em particular junto da União Europeia, e também que não caia “na chantagem que a ditadura de Nicolás Maduro tenta fazer”. O deputado referia-se ao facto de ser exigido ao Governo Português o reconhecimento de Nicolás Maduro para que as sanções à TAP fossem levantadas.

Carlos Fernandes salientou que esta é uma das piores fases da comunidade portuguesa na história recente da Venezuela, sendo esta alvo de “retaliação contínua”, e sublinhou que o PSD continua a reconhecer Juan Guaidó como o único representante da Venezuela eleito de forma democrática e legítima.