Porto-santenses imprimem viseiras em casa para ajudar profissionais do centro de saúde local

Foram hoje entregues 10 viseiras aos profissionais do centro de saúde do Porto Santo, mas a ideia é continuar a ajudar enquanto houver a pandemia Covid-19 que já chegou à Ilha Dourada

31 Mar 2020 / 14:28 H.

Num projecto intitulado ‘3D RAM’ contra o covid, dezenas de pessoas estão, de forma voluntária, a imprimir em casa, em impressoras 3D, um modelo de viseiras aprovado pelo SESARAM para ser utilizado nas unidades médicas da região.

Ana Lourenço e Nuno Camacho, do Porto Santo, juntaram-se ao projecto e estão a desenvolver viseiras para os profissionais de saúde da Ilha Dourada, tendo entregue, esta manhã, 10 unidades aos profissionais de saúde local, mas a ideia é continuar a ajudar enquanto houver a pandemia Covid-19 que já chegou à Ilha Dourada.

Ana Lourenço admite ao DIÁRIO que o mais importante é “ajudar os nossos profissionais de saúde”, criando em casa, através de uma impressora 3D, equipamentos necessários à protecção do vírus mortal.

Neste projecto “são utilizados acetatos, com a colaboração da empresa local ‘Mãos á Obra’ e plásticos cedidos por uma retrosaria local, num projecto aprovado pelo SESARAM” que acabaram por sofrer alterações para ir ao encontro das necessidades dos profissionais do Porto Santo.

Ana Lourenço e Nuno Camacho imprimem as viseiras e entregam-nas ao SESARAM, para que as disponibilizem ao centro de saúde local, mas adianta que há mais uma pessoa na ilha dourada que faz este tipo de impressões.

“Hoje entreguei as primeiras 10 viseiras de protecção ao centro de saúde do Porto Santo, impressas pelo Nuno Camacho e montadas por mim” disse Ana Lourenço, esperando poder continuar a ajudar os profissionais locais.