Paulo Cafôfo e António Costa inauguraram Loja do Munícipe do Funchal

28 Mar 2017 / 15:37 H.

O presidente da Câmara Municipal do Funchal, Paulo Cafôfo, inaugurou esta manhã, ao lado do primeiro-ministro António Costa, a nova Loja do Munícipe do Funchal, que passa a ser a imagem de marca da modernização administrativa da cidade.

Os serviços camarários estão agora completamente interligados, ao serviço dos funchalenses e de uma resposta cada vez mais rápida e eficaz. Isto significa que todos os munícipes podem tratar com um único funcionário, e no mesmo balcão, todos os assuntos que os tenham conduzido aos serviços da autarquia. As outras grandes novidades são uma nova gestão documental, uma renovação total a nível do ‘software’ utilizado pelos serviços e a criação de um balcão ‘on-line’, num investimento global de dois milhões de euros.

Paulo Cafôfo considerou que “começa hoje uma nova era no relacionamento entre a Câmara Municipal e os funchalenses”. “Esta Loja onde nos encontramos foi um dos grandes objectivos do mandato e foi a bandeira da modernização administrativa do Funchal ainda muito antes de abrir”.

O presidente defendeu que “com a Loja do Munícipe, a Câmara Municipal do Funchal passa a estar em todo o lado, e a toda a hora, seja num computador, num tablet ou num smartphone. Se o papel de uma Câmara é ser um agente de proximidade, era difícil ser mais próximo do que isto.”

Paulo Cafôfo enalteceu, por fim, que “este projecto é o nosso SIMPLEX e o novo paradigma das cidades inteligentes. É um grande orgulho estar aqui hoje a dar-vos as boas-vindas ao Funchal do futuro, uma cidade inteligente, capital da cidadania activa.”

Discurso na íntegra de Paulo Cafôfo, disponibilizado pela CMF

“Hoje começa uma nova era no relacionamento entre a Câmara Municipal e os funchalenses.

Esta Loja onde nos encontramos foi um dos grandes objetivos do mandato e foi a bandeira da Modernização Administrativa do Funchal ainda muito antes de abrir.

A Loja do Munícipe marca, de forma indelével, a nossa estratégia e as nossas políticas nos últimos três anos e não chegámos aqui por acaso. Tudo o que construímos foi para chegar aqui. Ao dia em que, no Funchal, os serviços camarários passam a estar completamente interligados, ao serviço dos funchalenses e de uma resposta cada vez mais rápida e eficaz.

A partir de agora, todos os munícipes poderão tratar com um único colaborador, e no mesmo balcão, todos os assuntos que os conduziram aos serviços da Autarquia.

Com a Loja do Munícipe, a Câmara Municipal do Funchal passa a estar em todo o lado, e a toda a hora, seja num computador, num tablet ou num smartphone. Se o papel de uma Câmara é ser um agente de proximidade, era difícil ser mais próximo do que isto.

Nesta nova realidade, mais do que consultar e informar-se, a Câmara passa a estar onde estiver um cidadão, com estes a usufruírem de um canal próprio e personalizado, assente num histórico de interações, no acompanhamento permanente dos processos e no esclarecimento individualizado, caso a caso.

Os funchalenses, e todos quantos quiserem saber mais do Funchal, contam, a partir de agora, com uma plataforma integrada, tanto física, como virtual, que os guiará, quer ao nível das nossas práticas de excelência, quer no que respeita à agregação de todo o universo Funchal.

É o nosso SIMPLEX e o novo paradigma das Cidades Inteligentes. O bocado de Funchal que inauguramos hoje, já é um bocado do Funchal de amanhã.

É um grande orgulho estar aqui hoje a dar-vos as boas-vindas ao Funchal do futuro.

A Loja do Munícipe do Funchal foi um investimento comparticipado com fundos europeus na ordem dos dois milhões de euros e, para esse efeito, o Funchal deve bastante à abertura, à eficiência e ao desígnio modernista do Governo da República, aqui hoje representado pelo Primeiro-Ministro, o meu bom amigo, António Costa, a quem dedico um especial obrigado.

Este Governo da República tem sido um aliado de todas as horas e um impulsionador de boas ideias e de boas vontades, e isso é tudo o que podemos pedir a um Executivo.

Agradeço, igualmente, a todos os que foram determinantes para que este imenso projeto fosse possível, em especial, ao Vereador Miguel Gouveia e a todos os colaboradores da Câmara envolvidos.

O processo de transição e adaptação às exigências da Loja do Munícipe foi longo e, nos últimos dois anos, implementámos dezenas de medidas tendentes à agilização de processos e à eficiência do atendimento, que envolveram um universo de 300 funcionários, chefias incluídas, do qual fizeram parte 100 horas de formação em Atendimento.

Os serviços de atendimento que apresentamos a partir de hoje são especialmente focados na satisfação do munícipe, seja através de uma plataforma presencial, telefónica ou digital. Temos uma nova gestão documental, uma renovação total de software e um novo balcão online.

Tudo isto, recorrendo exclusivamente a empresas regionais, da formação à solução tecnológica e à obra pública propriamente dita. Validando que no Funchal e na Madeira há conhecimento e capacidade de fazer.

É um orgulho dizer que este é um Executivo que tem desenvolvido um trabalho pioneiro na Região ao nível da credibilização da gestão pública, de que é exemplo incontornável a criação, pela primeira vez na História da Autarquia, de uma Unidade de Auditoria Interna, que elaborou um Plano de Prevenção de Riscos de Corrupção.

Ao nível da modernização administrativa, é inevitável falar no Funchal Alerta, a nossa plataforma de reporte de ocorrências na via pública, que tem sido a face mais visível do esforço do Executivo nesse capítulo, desde que foi implementado, há seis meses.

Através do Funchal Alerta, a Câmara tem um feedback imediato dos cidadãos, assegurando soluções e respostas. Nestes primeiros seis meses, o Funchal Alerta tem mantido uma taxa de resolução de ocorrências reportadas na ordem dos 95%.

É um diálogo real, no pleno exercício de uma Cidade Inteligente e de uma Cidadania Ativa.

No mesmo sentido, apresentaremos o novo Plano Diretor Municipal, a última grande meta deste mandato, que contemplará nada menos do que três meses de Discussão Pública. Porque o Funchal precisa desse debate, ou não padecesse de assimetrias históricas, com consequências na própria segurança da cidade.

O nosso mandato tem sido marcado pelos compromissos cumpridos.

Em 2013, herdámos uma Autarquia que tinha 105 milhões de euros de dívida global. Herdámos a Câmara no momento em que era mais difícil.

Pagámos 45 milhões de dívida em 40 meses de mandato.

Abatemos mais de um milhão de euros de encargos por mês, que tinham sido deixados pelo Executivo anterior.

Tal como na República, garantiram-nos sempre que não havia alternativa. E, no entanto, pagámos dívidas, enquanto investíamos como nunca nas famílias e nas empresas deste concelho, diminuindo a carga fiscal e avançando com benefícios para a dinamização do comércio e da reabilitação urbana como não há memória.

Com menos, fizemos mais.

Com um Investimento Social a toda a linha nas camadas mais vulneráveis da população, enfrentamos desafios históricos como as assimetrias das Zonas Altas, que sempre desenharam, na sombra, um Funchal de 1ª e um Funchal de 2ª.

Apostámos nas Acessibilidades e na Reabilitação Urbana, refundando o Turismo e a Cultura da cidade, com prémios nacionais e internacionais no Ambiente, na Mobilidade e na Inclusão.

Há sempre alternativa. Sobretudo, mudar para melhor.

Em 2016, o Funchal teve a sua melhor execução orçamental de sempre, sem recurso a qualquer tipo de expedientes extraordinários. Com 94% de execução nas Receitas e 90% nas Despesas, passámos a constar entre os melhores do país.

Tão importante como termos abatido quase metade da dívida global, é o facto de termos encerrado o ano de 2016 sem um único euro de pagamentos em atraso a fornecedores.

Assim, pela primeira vez em muito tempo, um Executivo funchalense vai fechar o mandato podendo orgulhar-se de não ter pagamentos em atraso.

Se a grande novidade do Orçamento Municipal para 2017 foi a duplicação da verba destinada ao Investimento, que chega, este ano, aos 20 milhões de euros, não tenho pejo em dizer que devemo-lo apenas a nós próprios.

Foi um esforço hercúleo até podermos chegar aqui hoje senhores do nosso próprio destino, com a casa arrumada, os investimentos à vista de todos, as pessoas mais confiantes e as chaves do futuro nas nossas próprias mãos.

Minhas Senhoras e Meus Senhores,

Porque não é por acaso que esta Loja do Munícipe nasce aqui mesmo, no coração dos Paços do Concelho, por entre as memórias do velhinho quartel dos Bombeiros Municipais, termino com aquele que considero ser o grande desafio do Funchal para a próxima década: a Reabilitação Urbana.

Tem um significado especial esta reabilitação fazer-se, igualmente, de dentro para fora, a partir de um edifício envelhecido e ultrapassado e que se coloca, agora, à frente do seu tempo.

É esse o Funchal que temos no nosso horizonte.

E nos últimos três anos temos desenvolvido um trabalho de fundo nesta matéria, com a criação de uma Área de Reabilitação Urbana (ARU), com a criação do Gabinete da Cidade e com a elaboração de um novo Plano Diretor Municipal, todos estruturados numa intervenção a toda a linha, para recuperar o edificado, construir novas acessibilidades e requalificar o espaço público, com novas centralidades.

Os múltiplos incentivos fiscais já beneficiaram 60 edifícios, sendo as obras de reabilitação urbana uma realidade que facilmente se comprova ao circular nas artérias mais antigas da cidade.

Criámos o Balcão do Investidor e, em ano e meio, já atendemos 1000 potenciais investidores. Um dos assuntos que mais tem merecido a atenção dos investidores do Funchal tem sido justamente a Reabilitação Urbana.

Três anos que fizeram um mundo de diferença.

Hoje anuncio, igualmente, que vamos avançar com seis novas ARUS e com uma Operação de Reabilitação Urbana alargada, multiplicando o investimento no espaço público.

Não há nada que aconteça por acaso. Nem antes, nem agora.

Este Funchal, que estamos a ajudar a construir, juntos, é um Funchal com identidade, e ainda assim mais moderno, com responsabilidade, e ainda assim mais ambicioso do que nunca, é um Funchal que quebrou as amarras e que não aceita impossíveis.

É uma cidade com cada vez mais oportunidades, mais confiança e mais qualidade de vida no Presente e que, por isso, está cada vez mais preparada para o Futuro.

A todos os que hoje aqui vieram abrir a nova Loja do Munícipe, fica um enorme bem-haja e a promessa de que vamos continuar a abrir portas ao Funchal.

Muito obrigado”