“O CDS criticou, mas não ficou no sofá”, afirma Rui Barreto

15 Mar 2018 / 16:03 H.

Rui Barreto justificou o voto favorável do CDS/PP em relação à aprovação do PDM, hoje na reunião da Câmara Municipal do Funchal (CMF), dizendo que ele foi o único candidato à CMF que promoveu um debate público sobre o PDM e levantou um conjunto de situações que a ‘Confiança’ acabaria por rever.

“Ao contrário de outros, o CDS criticou, mas não ficou no sofá e apresentou um conjunto de recomendações que, aliás, foram acolhidas pelo executivo camarário”, frisou.

Em relação ao aumento das verbas a serem transferidas para as juntas de freguesias, Rui Barreto afirmou que aprovou a proposta da ‘Confiança’ por entender que estão em linha com as propostas que defendeu durante a campanha eleitoral, em particular no se refere a transformar pequenas obras em grandes realizações, conferindo aos sítios e às pessoas que neles habitam dignidade e melhor qualidade de vida, melhorando vários aspectos.

“O CDS é um partido que sempre defendeu o municipalismo e sempre defendeu o princípio da subsidariedade, nós acreditamos que o poder mais próximo as populações é aquele que defende os interesses de cada uma delas e, por isso, vê aumentada a verba em 300 mil euros a distribuir pelas nossas 10 freguesias do Funchal”, concluiu.

Tópicos