Número de empresas não financeiras cresceu em 2018 na Madeira

17 Fev 2020 / 18:01 H.

Em 2018, existiam 28.123 empresas com sede na Região Autónoma da Madeira, 248 das quais financeiras e 27.875 não financeiras. Deste montante, cerca de duas em cada três eram empresas em nome individual e uma em cada três eram compostas por sociedades. Nas 28 123 empresas da RAM trabalhavam 74 779 pessoas, 74 369 das quais nas empresas não financeiras e os restantes 410 nas empresas financeiras.

Os dados são hoje divulgados pela Direcção Regional de Estatísticas da Madeira (DREM), através de um conjunto de quadros relativos às empresas financeiras e não financeiras com sede na RAM, no período 2013-2018, actualizando assim, os dados provisórios divulgados em Outubro passado.

De acordo com os dados apurados, em 2018, o número de empresas não financeiras na Madeira ascendeu a 27.875, mais 5,6% que no ano anterior, crescendo 2,9% acima da média nacional.

Relativamente ao pessoal, assistiu-se a um incremento em termos globais, face a 2017, de 7,4% para um total de 74.369, resultante do acréscimo de pessoal ao serviço nas sociedades (+8,2%) e nas empresas individuais (+5,1%), sendo que em Portugal continental o crescimento no pessoal ao serviço nas empresas não financeiras foi de 4,3% .

Em termos de dimensão, as empresas regionais pertencem quase exclusivamente (99,94%) ao grupo das Pequenas e Médias Empresas (PME). Dentro destas, a maior parte são microempresas (96,21%). O número de empresas não financeiras de média dimensão fixava-se, em 2018, nas 150, +11,1% em relação a 2017, enquanto as de grande dimensão não ultrapassavam as 17 (mais 1 do que em 2017). No país, a percentagem de PME é (99,91%).

Quanto ao Volume de Negócios (VVN) das empresas não financeiras regionais, aumentou 9,1%, entre 2017 e 2018, para os 5,1 mil milhões de euros. O Valor Acrescentado Bruto (VAB), que grosso modo corresponde à diferença entre a produção e os consumos intermédios aumentou 9,0% ascendendo aos 1,6 mil milhões de euros. O Resultado Líquido do período apresenta também uma performance positiva face a 2017, crescendo 6,4% para os 595,6 milhões de euros.

Analisando o sector de actividade económica, verifica-se que o sector do ‘Alojamento, restauração e similares’ é aquele que se destaca como principal gerador do VAB empresarial, concentrando 22,8% do VAB (373,9 milhões de euros). Segue-se o ‘Comércio’ com 17,9% (293,1 milhões de euros), a ‘Construção’ com 9,8% (160,5 milhões de euros) e os ‘Transportes e armazenagem’ com 9,7% (159,2 milhões de euros).