Mulheres Socialistas preparam projecto de formação para cuidadores informais

07 Dez 2018 / 19:57 H.

O Departamento Regional de Mulheres Socialistas (DRMS) decidiu avançar com um projecto de formação para cuidadores informais, a partir do próximo mês de Janeiro, primeiro no concelho do Funchal, e depois no resto da ilha, se houver a possibilidade de alargar o projecto.

A presidente do DRMS salientou esta tarde, em conferência de imprensa, o aumento da população envelhecida na Madeira que necessita de cuidados, muitas vezes prestados pelos familiares, cuidadores informais.

Mafalda Gonçalves diz que estes cuidadores informais “deparam-se com uma miríade de dificuldades, porque não existe ainda o estatuto do cuidador e porque as respostas que a Região Autónoma da Madeira dá, quer ao nível das associações, quer ao nível da assistência ao domicílio, não são suficientes para fazer face aos problemas que estas pessoas enfrentam”.

Daí que, no seu entender, este projeto pretenda dar “mais qualidade de vida aos cuidadores informais e, de certa forma, procurar reduzir-lhes os níveis de stresse que advêm desta tarefa constante”.

A iniciativa consiste numa formação gratuita com duração de sete horas, aberta a todas as pessoas que estejam interessadas. Abrange várias vertentes, uma das quais de apoio jurídico, com a explicação da legislação existente e da evolução da legislação que se pretende a nível futuro, bem como a explicação dos apoios que já existem ao nível da Segurança Social e outros disponíveis, e alguns ensinamentos de estratégias que poderão facilitar os cuidados ao domicílio.

A formação será dada por uma equipa multidisciplinar constituída pela deputada Sofia Canha, uma enfermeira, uma fisioterapeuta, uma jurista, uma terapeuta da fala, uma assistente social e uma cuidadora informal. Uma equipa que garante uma “estratégia mais adequada e transversal”.

Segundo Mafalda Gonçalves, foram enviadas cartas para todas as juntas de freguesia do Funchal e para a Câmara Municipal a dar conta desta iniciativa e a solicitar, caso o entendam, o agendamento da formação.

Por seu turno, a deputada Sofia Canha salientou a necessidade de fazer o levantamento dos cuidadores informais e das suas reais necessidades. Segundo referiu, no país estão estimados cerca de 800 mil cuidadores informais e estima-se que na Região hajam entre 18 mil a 20 mil cuidadores informais. “São dados extrapolados e aqui na Região há essa carência do levantamento”, vincou.