MPT quer que presidente da Câmara do Funchal se demita

Paulo Cafofo, diz um comunicado do Partido da Terra, é um autarca “a meio tempo na arte de enganar o povo”

18 Set 2018 / 02:22 H.

O MPT-Madeira emitiu um comunicado esta noite, na qual torna pública a sua posição face ao presidente da Câmara Municipal do Funchal. “Paulo Cafôfo está a enganar toda a população do Funchal e arredores, porque de manhã trabalha na Câmara Municipal do Funchal, no cargo para que foi eleito e à tarde deveria estar a fazer o mesmo, mas contrariamente aos desígnios do povo, sai dessas funções e faz campanha eleitoral ao serviço do PS Madeira com vários militantes, visitando instituições, adegas de vinho, unidades hoteleiras, etc, cometendo irregularidades graves de usurpação de funções que não lhe são reconhecidas”, atiram. E acrescentam: “Apenas sabemos que pretende ser candidato pelo PS Madeira, mas isso não lhe confere o direito de fazer o papel de Presidente do Governo Regional.”

Noutro ponto, o Partido da Terra deixa um alerta à população “para que não se deixe enganar com o comportamento desregrado do candidato Paulo Cafôfo, que atua de forma irregular, ou seja, eu quero, mando e posso, seguindo impune com este comportamento inconstitucional, deixando as funções para que foi eleito no período da tarde, para se tornar apenas representante do PS Madeira, trabalhado e fazendo campanha eleitoral para este partido e para a sua causa, numa demagogia falaciosa e com o objectivo de enganar todos aqueles que votaram para que cumprisse todo o mandato à frente da Câmara Municipal do Funchal a tempo inteiro”.

E continua, dizendo que na opinião do MPT “se o Presidente Paulo Cafôfo eleito para um mandato de 4 anos (afirmou na altura que cumpria o mandato até ao fim), quer fazer apenas campanha eleitoral pelo PS Madeira, deve de imediato por o lugar à disposição, deixando de uma vez por todas de enganar a população”.

Por fim, aponta aos partidos que apoiam a Coligação Confiança, vencedora das últimas eleições autárquicas no Funchal. “O MPT-Madeira pergunta se os partidos que suportam esta coligação (aqui tem que se incluir o CDS-PP), se concordam com um Presidente a meio tempo que desempenha funções para lá do âmbito daquelas para as quais foi legitimado, enganando tudo e todos? Caso estejam de acordo, quer dizer então que fazem parte desta enorme farsa teatral, assumindo o logro e o engano como a sua verdadeira política de falsidade pela qual se tornaram verdadeiros experts”, conclui.