“Mais trabalhos de casa não significa, necessariamente, maior sucesso escolar”, diz o NÓS, Cidadãos!

11 Jan 2019 / 11:15 H.

O NÓS, Cidadãos! apresenta recomendação ao Governo para limitação dos TPC nas escolas da Madeira. “Para o NÓS, Cidadãos! mais trabalhos de casa não significa, necessariamente, maior sucesso escolar, e isto foi validado num estudo do ‘projecto aQeduto’, apoiado pelo Conselho Nacional de Educação, divulgado em Julho de 2016”, diz num comunicado de imprensa dirigido à redacção.

O NÓS, Cidadãos! “vem recomendar/aconselhar ao secretário regional da Educação da RAM, Jorge Carvalho, que proceda, na sua Secretaria, à execução de um estudo na Região sobre a problemática do excesso de TPC (seus respectivos benefícios e malefícios) e que procure fomentar nas escolas uma orientação que em muito beneficia as famílias e crianças/alunos, ou seja, que a maior parte das atividades de aprendizagem programadas (incluindo os TPC) devem realizar-se dentro do horário escolar, de maneira a que se reconheça o direito das crianças disporem de tempo livre”.

“Se é verdade que o bom senso deveria imperar – mas até a carga letiva em Portugal é das mais elevadas – as chefias intermédias e até os directores escolares deveriam estabelecer critérios a fim de se evitar excessos nos trabalhos de casa, pois é importante garantir às crianças e adolescentes que as tarefas que desempenham na escola respeitam o tempo e as necessidades da escola, mas também dos estudantes enquanto seres dotados de outros direitos”, realçou.

O NÓS, Cidadãos! recordou que “recentemente, em Itália, o ministro da Educação (Marco Bussetti) anunciou que enviaria um memorando às escolas (e professores), a pedir para reduzirem o volume de trabalhos de casa (TPC) pedidos durante a época natalícia e para relembrá-los que este período festivo é um tempo de descanso para os estudantes e as famílias”. E em Espanha – mais concretamente a Generalidade Valenciana (governo autonómico Valenciano) – “foi aprovada uma lei, que entrou em vigor no dia de Natal, e que limita os trabalhos de casa para os estudantes entre os seis e os 16 anos”.

“Em Portugal – e em particular na RAM – terminado que está agora mais um período de interrupção lectiva do Natal e fim de ano, nada foi feito ou solicitado aos educadores e professores das escolas, sobretudo do primeiro ciclo, que são os alunos, que de acordo com um estudo realizado em 2017, que têm mais TPC, quer aos dias de semana e regulamente ao fins-de-semana”, acrescentou.