Idosa ‘fugitiva’ transportada de ambulância e sob escolta policial para o hospital do Funchal

Taxistas que transportaram mulher de 84 anos deverão seguir para isolamento, permanecendo em auto-vigilância activa

25 Mar 2020 / 13:53 H.

As autoridades já contactaram os taxistas que fizeram o transporte da idosa que foi detida na manhã desta quarta-feira por reincidir no crime de desobediência ao não acatar a quarentena obrigatória imposta a todos os cidadãos que chegam à Madeira enquanto vigora o estado de emergência.

Segundo apurou o DIÁRIO, a mulher de 84 anos insistiu em manter a rotina diária e pela manhã apanhou um táxi a partir de casa, no concelho de Santa Cruz, com destino ao Funchal. Contudo, foi denunciada e a PSP interveio a tempo de isolá-la quando se encontrava já na Avenida do Mar, na baixa do Funchal.

A cidadã que regressou do Brasil no último fim-de-semana, ainda tentou apanhar um outro táxi mas a viatura foi impedida de sair pela Polícia.

O DIÁRIO sabe que os motoristas de táxi com os quais a idosa manteve contactos no dia de hoje estão a ser identificados pela PSP e sinalizados pelas autoridades de saúde, devendo permanecer em autovigilância activa, ao abrigo do protocolo de prevenção do contágio do convid-19 decreto pelo estado de emergência.

A cidadã detectada novamente em fuga ao isolamento obrigatório, 12 horas depois de ter sido detida pela PSP, foi transportada numa ambulância dos Bombeiros Voluntários Madeirenses (BVM) para o hospital dr. Nélio Mendonça, sob detenção e escolta da PSP.

Dois bombeiros com equipamento de protecção distribuíram luvas à idosa antes de ser encaminhada para a auto-maca, seguindo depois com destino ao posto de pré-triagem do isolamento profiláctico instalado no hospital, junto às consultas externas.

Na unidade hospitalar deverá ser submetida ao teste do novo coronavírus a título preventivo atendendo à potencial cadeia de contágio que eventualmente poderá estar em causa.

Conforme o DIÁRIO avançou, a mulher de 84 anos já tinha sido detida pela PSP no final da tarde de ontem, terça-feira, por furar a quarentena obrigatória.

A cidadã madeirense, que chegou este fim-de-semana do Brasil e reside no concelho de Santa Cruz, foi ontem denunciada às autoridades por um cidadão que a viu a passear no shopping do Anadia.

Foi detida por desobediência, na sequência do incumprimento da medida de vigilância activa no domicílio determinada pela Autoridade de Saúde.

Depois de constituída arguida foi conduzida para a sua residência em Santa Cruz, onde está obrigada a permanecer em confinamento e sob o termo de identidade e residência.