Festa do Vinho menos dispendiosa e com mais animação

20 Ago 2018 / 15:12 H.

A Festa do Vinho, que se realiza na baixa do Funchal entre os dias 26 de Agosto e 9 de Setembro, apresenta este ano uma redução nos custos inerentes à sua organização, pese embora o seu rol de propostas tenha incrementado.

O investimento associado a esta iniciativa ronda os 263 mil euros, menos cinco mil euros face ao ano transacto, num certame que irá envolver à volta de 2.100 participantes. O anúncio foi feito há instantes, pela secretária regional do Turismo e Cultura, Paula Cabaço, na apresentação oficial do evento, que decorreu no espaço Infoart.

Uma das grandes novidades para este ano prende-se com a não realização do desfile, que vagueou pelas artérias da capital madeirense nas últimas duas edições, e que este ano dá lugar a um rol de iniciativas que perfazem um total de 27 horas de programação cultural e animação turística.

Sendo assim, desenrolam-se entre a Praça do Povo, Largo da Restauração e placa central da Avenida Arriaga 13 actuações musicais, nove peças de teatro e quatro espectáculos de dança seculares, “isto para além das actuações de folclore e dos quadros vivos”. Já na placa central da Avenida Arriaga há espaço para 12 barracas, 10 destinadas a produtores de vinho e outras duas dedicadas à parte gastronómica.

Enquanto apostas ganhas, mantêm-se integradas neste cartaz a Semana Europeia do Folclore, o Pavilhão do Artesanato Regional, o Pavilhão do Vinho Madeira, o Mercadinho do Vinho, a Madeira Wine Lounge, a Festa da Uva e do Agricultor no Porto da Cruz e a Festa da Vindima no Estreito de Câmara de Lobos.

“Não tenho dúvidas que vamos ter um verdadeiro festival de rua, aberto à participação de todos, de forma gratuita, com uma grande diversidade artística e de conteúdos associado a uma grande riqueza cultura e dinâmica a um produto emblemático, que é o vinho, um produto de celebração”, aferiu Paula Cabaço.

Relativamente à taxa de ocupação hoteleira num leque de 79 empreendimentos turísticos correspondentes a 10.560 quartos, a sondagem realizada na mesma data que o ano passado “revela uma taxa de ocupação de 86,3%, que não inclui Alojamento Local”. Em 2017, no mesmo período, a taxa de ocupação foi de 88%.

Outras Notícias