Dívida de 60 milhões na empresa de electricidade preocupa Paulo Neves

06 Mar 2017 / 13:17 H.

Paulo Neves manifestou-se preocupado com a dívida que o Estado detém na Empresa de Electricidade da Madeira (EEM), uma quantia avaliada em 60 milhões de euros e que o deputado social-democrata classifica como “uma injustiça, uma empresa com a dimensão da EEM estar sem este dinheiro”.

Depois de uma reunião estabelecida com a administração, os deputados do PSD-Madeira na Assembleia da República mostraram-se elucidados. “A EEM cumpre com a sua obrigação mas não é compensada por aquilo que paga às câmaras municipais, ao contrário do que se passa a nível nacional, pois a nível nacional as grandes empresas de electricidade pagam às câmaras municipais o direito de passagem, mas depois são ressarcidas, ou seja, são compensadas por aquilo que pagam”, esclareceu Paulo Neves que alertou para o facto de não haver uma legislação “que obrigue a se fazer na madeira aquilo que se faz a nível nacional”.

Os deputados do PSD eleitos pela Região para representar os madeirenses na Assembleia da República têm envidado esforços no sentido de exigir junto do governo central a incorporação desta dívida no Orçamento de Estado. “Quem tem responsabilidade, quem tem o poder de fazer com que seja paga esta dívida à EEM é o Governo da República quando se discute o OE”, alertou.

A solução, segundo o PSD, passa por um pagamento faseado e distribuído equitativamente por todos os portugueses. “Nós na Madeira também pagamos aquilo que se passa no continente. O que defendemos é que durante 15 anos estes 60 milhões sejam pagos a nível nacional na conta da electricidade”, remetendo a responsabilidade de uma possível solução para os reguladores de electricidade e o próprio Governo da República.

Entre 2006 e 2016 a EEM não foi compensada financeiramente pelo Estado e, nesse sentido, os deputados do PSD-Madeira já exigiram a incorporação desta dívida, orçada em 60 milhões, no OE.

Outras Notícias