Confederação preocupada com proposta da ‘Lei Uber’ que “vai matar o sector de táxi”

21 Fev 2020 / 15:51 H.

O Núcleo da Madeira da Confederação Portuguesa das Micro, Pequenas e Médias Empresas (CPPME) esteve reunido, esta manhã, com o secretário regional da Economia e Transportes, para abordar a proposta da Lei Uber, que em breve poderá entrar em vigor na Região.

De acordo com o director do núcleo da CPPME, Ricardo Azevedo, esta proposta “neste momento, está a matar o sector de táxi, porque só protege o sector de turismo e animações turísticas, mas não fala directamente nos táxis”. “Há um desconhecimento total em relação à quantidade de táxis que existe na Região”, assume Ricardo Azevedo, acrescentando que estamos a falar de 800 veículos, que correspondem a cerca de 1.200 motoristas.

“Estamos a matar uma profissão muito antiga na Região”, torna a frisar Ricardo Azevedo.

A Confederação afirma que Rui Barreto garantiu que será criado um contingente da Uber, mas não explicou o universo a que se refere. “O medo é que existam mais ubers do que táxis. Não estamos a dizer que as aplicações não podem operar na Região. Apenas que para operar têm de ter peso e medida”, explica, lembrando que não estamos a falar de grandes regiões como Lisboa e Porto.