CDU contra “prepotência” da Câmara de Santa Cruz no fecho de caminhos e veredas

13 Fev 2020 / 17:26 H.

A CDU promoveu, esta quinta-feira, 13 de Fevereiro, uma iniciativa de contacto com as populações, na freguesia de Gaula, em Santa Cruz. Na ocasião, os comunistas manifestaram-se contra a “prepotência da Câmara de Santa Cruz”, “quer seja pelas transgressões que se verificam, como no estreitamento e em alguns casos do fecho completo de algumas veredas e caminhos pedestres centenários, como é o caso da vereda da Lombadinha”.

“Em Gaula, as populações estão confrontadas com insuficiências e limitações impostas por este executivo do JPP, que obstaculiza a vida das pessoas que habitam nesta freguesia como também no restante concelho.

No caso concreto da vereda da Lombadinha, o estreitamento feito é de tal ordem, que só passa uma pessoa de cada vez, e se alguém quiser subir a vereda com uns sacos de compras já não pode, tem de procurar um caminho alternativo, é uma vergonha esta câmara estar a privar os seus munícipes de um elementar direito de passagem, para não falar do risco que apresenta e a falta de segurança que neste acesso existe”, apontou o dirigente António Jardim.

Sobre os “problemas concretos que mais tocam negativamente o dia a dia das populações, a par dos repetidos estrangulamentos às veredas e até o fecho de algumas, verifica-se que existem ribeiros e veredas sem limpeza, adufas em estradas municipais sem tampas, estradas municipais sem condições de se transitar e que são um perigo para os condutores e transeuntes”, referiu ainda o comunista, alegando que “quando uma pessoa se dirige à Câmara Municipal para colocar os seus problemas, o executivo camarário empurra os problemas com a barriga para outras entidades e complica o que é simples de se resolver”.

“A propaganda da Câmara de Santa Cruz, diz-nos de que tudo está bem neste concelho, de que tudo é uma maravilha, mas para a CDU, é necessário um novo rumo no concelho de Santa Cruz, é necessário uma Câmara que dê resposta aos problemas e anseios do povo de Santa Cruz e não uma câmara que se venda aos interesses de grupos privados”, rematou.