CDS apresenta propostas para novo hospital do Funchal

17 Nov 2016 / 21:07 H.

O CDS-PP vai apresentar cinco propostas para a Madeira no Orçamento do Estado, incluindo 5,6 milhões de euros para o hospital do Funchal e mais 2 milhões de euros do que está inscrito para reconstrução devido aos incêndios.

As propostas foram apresentadas pelo líder parlamentar regional e ex-deputado Rui Barreto e pelo líder parlamentar na Assembleia da República, Nuno Magalhães, que salientou “o sentido de responsabilidade por parte do CDS/Madeira, que possibilitou que estas propostas fossem acolhidas pelo CDS no seu todo”.

Os centristas vão propor a inscrição de 5,6 milhões de euros no OE para a construção do novo hospital no Funchal, referentes ao lançamento da primeira fase de projeto, estudos técnicos e expropriações, afirmou Rui Barreto na conferência de imprensa conjunta com Nuno Magalhães, no parlamento.

“É exatamente metade do valor proposto pelo Governo Regional da Madeira quando candidatou a projeto de interesse comum no passado mês de junho e entregou essa proposta no Ministério das Finanças”, afirmou, sublinhando que o OE não contempla quaisquer verbas, inscrevendo verbas para o Hospital Oriental de Lisboa, Seixal e Évora.

O CDS apresentará também uma proposta que aumenta em 2 milhões de euros a verba prevista para medidas de reconstrução dos prejuízos dos incêndios de agosto, afirmou Rui Barreto.

“O primeiro-ministro quando esteve na Madeira assumiu um compromisso com o realojamento e habitações na ordem dos 17,4 milhões de euros, o que estava previsto para 2017 seriam 5,5 milhões de euros. Parece-me que, por lapso, só inscreveu 3,5 milhões, daí esta proposta”, afirmou.

Numa outra proposta, os centristas contemplam o lançamento de concurso público internacional para o transporte de mercadorias entre a Região Autónoma da Madeira e o Continente, um compromisso já assumido com os Açores pelo Governo da República, frisou Rui Barreto.

A revisão do subsídio social de mobilidade é outra das propostas de alteração ao OE apresentada pelo CDS, bem como a “simplificação da certificação dos tripulantes de embarcações de bandeira portuguesa”.

“O Centro de Negócios da Madeira tem um registo internacional de navios, estão registadas cerca de 470 embarcações, é o quarto maior registo de navios europeu, aquele que mais cresce nos últimos três anos, e é muito importante agilizar essa solução com a simplificação das tripulações, desmaterializando”, sustentou.