Cafôfo afirma que CDS decidiu prolongar a agonia deste regime

15 Fev 2020 / 11:56 H.

Paulo Cafôfo começou a sua apresentação pública regozijando-se pela grande moldura humana composta também “por gente que também não é socialista de cartão mas é socialista de coração”.

Justificou a candidatura à liderança do Partido para “afirmar uma alternativa” capaz de mobilizar madeirense e portosantenses. Assume o desafio também por entender ser “dever de responsabilidade de não recuar e manter a esperança de uma mudança política”, afirmou.

Reafirmou que a maioria na Região “quer uma mudança”, que só não se concretizou “porque o CDS decidiu prolongar a agonia deste regime na Região “, acusou.

Antes destacou em particular “os dois que no antecederam” referindo-se a Miguel Silva Gouveia, na CMF, e Carlos Pereira, ex-líder do PS. Elogiou em particular o autarca pela “capacidade fora do normal” é pela “seriedade e honestidade”.