‘Átrio da Paz’ recebe debate sobre a Europa

10 Dez 2018 / 23:19 H.

No próximo dia 13 de Dezembro, às 19.30 horas, o espaço ‘Átrio da paz’, na Igreja de São José, leva a efeito um debate sobre a “Europa que temos, a que vamos ter, o desafio do Brexit e dos Refugiados”. O painel será constituído por Bruno Pereira, Director Regional dos Assuntos Europeus, a eurodeputada Cláudia Aguiar e a antiga consulesa do Reino Unido na Madeira, Joy Menezes.

Este será, segundo José Luís Rodrigues, pároco daquela igreja, “um momento de reflexão e debate aberto a todos. Não podemos deixar só para alguns os problemas que são de todos”.

Em nota de divulgação, escreve ainda que “face aos desafios que a Europa hoje nos lança, precisamos de diálogo, reflexão e debate sobre esta questão, que ao mesmo tempo parece distante de nós, mas que na realidade concreta do dia se vai mostrando tão próxima. São imensos os desafios...”

Neste sentido, recorda alguns dos desafios apontados pelo Papa Francisco no Parlamento Europeu a 25 de Novembro de 2014:

“1. O lema da União Europeia é Unidade na diversidade, mas a unidade não significa uniformidade política, económica, cultural ou de pensamento. Na realidade, toda a unidade autêntica vive da riqueza das diversidades que a compõem: como uma família, que é tanto mais unida quanto mais cada um dos seus componentes pode ser ele próprio profundamente e sem medo. Neste sentido, considero que a Europa seja uma família de povos, os quais poderão sentir próximas as instituições da União se estas souberem conjugar sapientemente o ideal da unidade, por que se anseia, com a diversidade própria de cada um, valorizando as tradições individuais; tomando consciência da sua história e das suas raízes; libertando-se de tantas manipulações e fobias. Colocar no centro a pessoa humana significa, antes de mais nada, deixar que a mesma exprima livremente o próprio rosto e a própria criatividade tanto de indivíduo como de povo».

2. Manter viva a realidade das democracias é um desafio deste momento histórico.

3. Dar esperança à Europa não significa apenas reconhecer a centralidade da pessoa humana, mas implica também promover os seus dotes. Trata-se, portanto, de investir nela e nos âmbitos onde os seus talentos são formados e dão fruto.

4. Cuidar da família

5. Todas as instituições educativas: escolas e universidades.

6. A ecologia. De facto, esta nossa terra tem necessidade de cuidados e atenções contínuos e é responsabilidade de cada um preservar a criação, dom precioso que Deus colocou nas mãos dos homens.

7. Promover as políticas de emprego, mas acima de tudo é necessário devolver dignidade ao trabalho, garantindo também condições adequadas para a sua realização.

8. A questão migratória. Não se pode tolerar que o Mar Mediterrâneo se torne um grande cemitério! Nos barcos que chegam diariamente às costas europeias, há homens e mulheres que precisam de acolhimento e ajuda.”