Assembleia da República aprova audição urgente do ministro do Ensino Superior a propósito da discriminação à UMa

19 Fev 2020 / 19:55 H.

O tratamento discriminatório, por parte do Governo da República, à Universidade da Madeira esteve em evidência, hoje, na reunião da Comissão de Educação, Ciência, Juventude e Desporto da Assembleia da República.

De realçar que o requerimento apresentado pelo PSD, com vista à audição, com carácter de urgência, ao Ministro Manuel Heitor e ao Reitor da Universidade da Madeira, sobre esta matéria, foi aprovado, por unanimidade, aprovação com a qual a deputada Sara Madruga da Costa fez questão de se congratular, até porque “representa um importante e primeiro passo na clarificação e correcção desta postura inaceitável, que se repudia a todos os níveis”.

Deputada Social-democrata que espera que a aprovação unânime, por parte do parlamento, a este requerimento, “seja um sinal de que haverá celeridade nesta audição e no encontro de uma solução que permita ultrapassar uma inadmissível discriminação à nossa Universidade”, frisou.

Sara Madruga da Costa que, numa segunda intervenção, desta feita ao Presidente do Sindicato Nacional do Ensino Superior, Gonçalo Velho, no âmbito de uma audição sobre o número de precários no Ensino Superior e a propósito do Contrato de Legislatura entre o Governo e as Instituições do Ensino Superior, insistiu neste tratamento discriminatório do Governo da República e questionou sobre as conclusões da reunião entre o Sindicato e a Reitoria da UMa, reunião essa que teve lugar no início desta semana.

Respondendo às questões apresentadas, Gonçalo Velho afirmou que “o que o Governo da República está a fazer com a Universidade da Madeira é inaceitável e que é compromisso do Sindicato continuar a lutar pela correcção desta desigualdade”.