Aprovados mais de 70 projectos, desde 2015, através de medida para combate ao desemprego jovem

12 Ago 2019 / 18:14 H.

Desde 2015 foram aprovados mais de 70 projectos, que criaram mais de 120 postos de trabalho para jovens até aos 29 anos, através do Programa de Estímulo ao Empreendedorismo de Desempregados (PEED) uma das 15 medidas de combate ao desemprego do Instituto de Emprego da Madeira (IEM), afirmou a secretária regional da Inclusão e Assuntos Sociais, esta segunda-feira, durante a entrega do Prémio Jovem Empreendedor Madeira 2019, aos impulsionadores destes novos negócios na Região.

Em 2019, 33 desempregados na Região, dos quais 18% até aos 29 anos, conseguiram tornar-se empreendedores através deste programa.

Rita Andrade explicou que o PEED é o “programa que apoia as pessoas que estavam em situação de desemprego a criarem o seu próprio projecto” e que o apoio financeira pode atingir os 40 mil euros, por projecto: “Cada projecto PEED pode apoiar até quatro postos de trabalho. Cada posto de trabalho é apoiado no montante de quase 5 mil euros. E depois há um remanescente para o apoio ao investimento”. Significa isto, acrescentou a governante que, “Em média, por posto de trabalho, poderá ir até cerca de 10 mil euros, já juntando também a parte do investimento. Ou seja, um montante máximo de cerca de 40 mil euros por um projecto completo”.

Para se candidatarem ao PEED, os “jovens têm que estar numa situação de desemprego involuntário”. O programa estabelece regras também em relação ao tempo a que o candidato está inscrito no IEM, “em função de um conjunto de variáveis”. Depois, a idade dos candidatos também é levada em conta: “O facto de ser mais jovem é majorado pelo Instituto do Emprego em termos de apoio a conceder”, disse Rita Andrade, reforçando que é um incentivo ao combate ao desemprego jovem.

Além destes, há ainda critérios relacionados com a área de actividade, com a localização, com a concorrência e com o plano de negócio. Há também uma entrevista realizada pelos técnicos do IEM “um momento muito importante” para a secretária regional, já que é nesta fase que os especialistas percebem “se as pessoas oferecem, sob ponto de vista de uma entrevista de avaliação, as condições e as garantias que lhes permitem levar avante um projecto e fazer a sua gestão”.

No caso do projecto “não correr bem” ou não vingar no mercado, lembrou a secretária regional, o empresário deverá devolver a verba do apoio.

“Temos muitos jovens que tiveram esta rampa de lançamento através deste programa de emprego e que têm projectos de sucesso, cresceram e encontraram o seu lugar ao sol”, disse Rita Andrade.

O Prémio Jovem Empreendedor Madeira 2019 foi entregue esta segunda-feira, Dia Internacional da Juventude, no auditório da Secretaria Regional da Inclusão e dos Assuntos Sociais.