Alguma apreensão com a evolução da inteligência artificial marca dúvidas do público

23 Out 2018 / 11:54 H.

Na sessão de perguntas do público após a intervenção de Jesús Cochegrus na segunda edição da ‘Conferência Inovação e Futuro’, desta feita dedicada à temática da ‘Revolução Digital’, ficaram patentes as reticências e receios em torno da evolução da inteligência artificial.

“Dentro de 2 a 3 anos os advogados, os médicos e outros profissionais não vão ser precisos”, disse António Fontes, advogado, uma das pessoas que assiste à conferência. “Onde é que está a parte humana disto tudo?”, questionou.

António Fontes receia que se atinja o ponto da tecnologia em que funciona sozinha sem a intervenção humana.

A 2.ª edição da ‘Conferência Inovação e Futuro’, uma organização do DIÁRIO, NOS Madeira e Casino da Madeira, está a decorrer no Centro de Congressos.